|EUA

Milhares em Washington pela paz e contra «as guerras intermináveis» dos EUA

Mais de 200 organizações apoiaram a manifestação deste sábado, em Washington, contra a «máquina de guerra» dos EUA e da NATO, quando passam 20 anos sobre a invasão norte-americana do Iraque.

Manifestação deste sábado em Washington 
Manifestação deste sábado em Washington Créditos / @answercoalition

Milhares de pessoas manifestaram-se ontem na capital federal dos Estados Unidos, exigindo que as enormes verbas que o país destina à guerra sejam direccionadas para «as necessidades das pessoas» – mais emprego, melhor educação e saúde, entre outros sectores.

Pelo centro da cidade, muitos manifestantes exibiram cartazes em que se lia «Alimentar o povo, não o Pentágono», «Financiar as necessidades das pessoas, não a máquina de guerra», «Dissolução da NATO», «Não à NATO, sim à Paz» ou «Não à guerra com a China».

@answercoalition

Em discursos que precederam a marcha e ao longo da manifestação, foi central a denúncia do belicismo norte-americano, tendo-se ouvido vozes a exigir à Casa Branca que defenda a paz e o diálogo, em vez de prestar ajuda militar à Ucrânia, e a criticar Washington por não querer saber do futuro dos ucranianos, «apenas manter a sua hegemonia».

Além de reivindicarem repetidamente a dissolução da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO) e o encerramento das mais de 700 bases militares que EUA e NATO têm pelo mundo fora, os manifestantes denunciaram o militarismo norte-americano e lembraram que o Pentágono «não aprende com os próprios erros».

@answercoalition

Para o mostrar, alguns manifestantes exibiram bandeiras e caixões com bandeiras dos países que foram vítimas do intervencionismo norte-americano, também por via da aplicação de sanções.

Na sua conta de Twitter, a Answer Coalition, uma das promotoras da mobilização, afirmava a propósito: «Lembrem-se do Iraque! Basta de guerras assentes em mentiras! No 20.º aniversário da invasão criminosa do Iraque pelos EUA [20 de Março de 2003], manifestámo-nos em Washington para exigir paz na Ucrânia e dizer Não à campanha de guerra norte-americana, Não à guerra infindável e Não à austeridade!»

Outro ponto em destaque este sábado na capital dos EUA foi a denúncia do papel assumido pela comunicação social dominante, que foi acusada de fabricar inimigos e atiçar os conflitos.

@answercoalition

Brian Becker, director da Answer Coalition, foi um dos que abordaram a questão, afirmando que a «comunicação social dominante decidiu boicotar o povo norte-americano quando se posiciona contra a máquina de guerra». Apontou o dedo a grandes cadeias de TV e jornais, que acusou de serem «apenas câmaras de ressonância do Pentágono».

Answer Coalition, The People's Forum, Codepink, Black Alliance for Peace, United National Anti-War Coalition, Veterans for Peace, Roger Waters, Cuba and Venezuela Solidarity Committee, Samidoun Palestinian Prisoner Solidarity Network são algumas das mais de 200 organizações que subscreveram o manifesto subjacente à mobilização.

Nele, também se diz «não» a uma eventual guerra com a China; pede-se o fim do apoio dos EUA ao «regime de apartheid» israelita, o fim da ingerência no Haiti e o fim do AFRICOM – Comando dos Estados Unidos para África; exige-se o fim do racismo e da discriminação nos EUA, bem como a libertação de todos os presos políticos, incluindo Mumia Abu-Jamal e Julian Assange.

Tópico

Contribui para uma boa ideia

Desde há vários anos, o AbrilAbril assume diariamente o seu compromisso com a verdade, a justiça social, a solidariedade e a paz.

O teu contributo vem reforçar o nosso projecto e consolidar a nossa presença.

Contribui aqui