|Uruguai

Mais de 100 mil cirurgias às cataratas no Uruguai com a Operação Milagre

Ana Fagúndez, hoje subdirectora do Hospital Oftalmológico José Martí, em Montevideu, destaca o enorme contributo da brigada médica cubana no país para a saúde ocular dos uruguaios.

Créditos / misionmilagro.gob.ve

Em conversa com a Prensa Latina, Fagúndez recordou os anos dos seus estudos de Medicina, na Escola Latino-americana de Medicina (ELAM), onde se formou em Setembro de 2005 e onde teve oportunidade de conviver com colegas de 25 nacionalidades.

«Toda essa experiência enriquece qualquer um do ponto de vista pessoal e humano, e permite ter um olhar que valoriza muito mais aquilo que se tem como país e dimensionar um problema ou dificuldade», disse.

«Destaco também a possibilidade de conhecer Cuba não como turista, mas como uma pessoa comum, partilhar com os cubanos, aprender com os seus valores e a solidariedade tão marcada a fogo», frisou.

Neste sentido, sublinhou o conceito de não dar aquilo que sobra, mas de partilhar o que se tem, e apreciou «a oportunidade de ser acolhida por uma família cubana, que me deu carinho, conselhos e [são pessoas] que até hoje considero minha família».

Operação Milagre no Uruguai

O projecto humanitário Missão Milagre ou Operação Milagre foi instituído em 2004, por iniciativa dos governos de Cuba e da Venezuela, no âmbito dos programas de integração dos povos da América Latina, com o propósito de tornar possível que pessoas com baixos recursos fossem e sejam operadas a diversos problemas de carácter oftalmológico.

A «missão» chegou ao Uruguai em 2005 como parte de um acordo com Cuba para acabar com a primeira causa de cegueira reversível no país, as cataratas. O Hospital Oftalmológico José Martí começou a funcionar em Novembro de 2007, com a colaboração de técnicos cubanos.

Ana Fagúndez / PL

Ana Fagúndez, que em Fevereiro deste ano entrou para a equipa de gestão do único hospital oftalmológico a nível estatal, referiu que a instituição promove cuidados humanizados, de acesso equitativo, descentralizado, com o intuito de prestar um serviço de excelência e reconhecido pelos valores éticos.

Desde 2007, foram ali realizadas mais de 100 mil operações às cataratas e atendidos outros 35 mil pacientes com outras patologias oftalmológicas, o que foi possível «graças ao enorme contributo da Brigada Médica» cubana, frisou.

Com o decorrer do tempo, foram identificadas outras necessidades e criados os departamentos de glaucoma e retina, disse Fagúndez à Prensa Latina, destacando ainda o surgimento de associações com docentes que permitiram a formação de novas gerações de especialistas.

Para o futuro, apontou como desafio responder de forma rápida e com elevados padrões de qualidade às questões oftalmológicas com serviços locais, onde residem os pacientes.

Tópico