|Palestina

Forças israelitas carregaram sobre protesto contra despejos em Sheikh Jarrah

Várias famílias do bairro, em Jerusalém Oriental ocupada, correm o risco de despejo iminente, para que ali surja um colonato judeu. Autoridades e forças políticas palestinianas deram o alerta.

Protesto contra a decisão de um tribunal israelita de expulsar famílias palestinianas do Bairro de Sheikh Jarrah (imagem de arquivo) 
Protesto contra a decisão de um tribunal israelita de expulsar famílias palestinianas do Bairro de Sheikh Jarrah (imagem de arquivo) CréditosFaiz Abu Rmeleh / Anadolu Agency

As forças de ocupação isrealitas carregaram, ontem à noite, sobre os participantes numa concentração solidária com os palestinianos residentes no Bairro de Sheikh Jarrah, que estão ameaçados de despejo, e prenderam alguns deles, informam o Palestinian Information Center (Palinfo) e a agência WAFA. Entre os detidos, refere o Palinfo, encontra-se uma criança de 13 anos.

Com a concentração, em que foram proferidas palavras de ordem contra a ocupação israelita e a deslocação forçada da população do bairro, os organizadores procuraram chamar a atenção para a situação das famílias que enfrentam a ameaça de despejo imediato, depois de um tribunal israelita ter dado luz verde à ocupação das suas casas pelos colonos.

Actualmente, informa a WAFA, pelo menos seis de 28 famílias palestinianas em Sheikh Jarrah correm o risco de expulsão imediata, para que no bairro nasça o colonato israelita de Shimon HaTsadiq.

De acordo com uma ordem judicial, apesar de residirem em Sheikh Jarrah há várias gerações, estas famílias tinham de abadonar as suas casas até ontem, 2 de Maio.

Outro grupo de famílias palestinianas têm de fazer o mesmo, de acordo com a ordem do tribunal, até dia 1 de Agosto. Ao todo, indica a fonte, correm o risco de deslocação forçada 58 pessoas, incluindo 17 crianças.

Desde o início dos anos 70 que organizações de colonos judeus reclamavam, em tribunal, que as famílias palestinianas residentes em Sheikh Jarrah tinham de abadonar o bairro, com o argumento de que as terras pertenciam aos judeus. Quase 40 anos depois, um tribunal deu-lhes razão.

Vários alertas este domingo, para travar a expulsão

O movimento Hamas emitiu um comunicado, este domingo, a lançar um aviso a Israel contra a expulsão de palestinianos de Jerusalém Oriental ocupada, a demolição de casas e a expropriação de terras na Cisjordânia.

«A deslocação massiva do nosso povo em Sheikh Jarrah e a apropriação das suas casas visa atingir claramente a identidade palestiniana de Jerusalém e presença palestiniana na cidade», refere o comunicado, citado pela PressTV.

Também ontem, o partido Fatah instou as Nações Unidas e o seu Conselho de Segurança a assumir as suas responsabilidades legais e a agir contra o plano israelita de expulsar os palestinianos das suas casas, terras e propriedades em Sheikh Jarrah.

Por seu lado, o ministro dos Assuntos de Jerusalém, Fadi al-Hadami, pediu à comunidade internacional que intervenha rapidamente, de modo a travar a expulsão das famílias do bairro.

Também se referiu às demolições em curso em Sheikh Jarrah como um «crime e uma violação de todas as leis internacionais», sublinhando que Israel está a levar a cabo uma «limpeza étnica» na região.

Tópico