Mensagem de erro

|Nicarágua

Face a sanções dos EUA, vários países unidos na defesa da Nicarágua

Síria, Cuba, Venezuela e ALBA expressaram solidariedade com o país centro-americano, depois de a administração dos EUA ter reforçado a pressão e a ingerência com a imposição de novas sanções.

Onda de violência alimentada pela oposição de direita com o apoio dos EUA já provocou quase 200 mortos na Nicarágua, desde 18 de Abril
O governo nicaraguense está a fazer frente à trama golpista que a «ajuda» de NED-Usaid promoveu e promove no país Créditos / annurtv.com

Num comunicado do Ministério dos Negócios Estrangeiros, a Síria condenou a ingerência norte-americana nos assuntos internos da Nicarágua e expressou a total solidariedade com o povo e o governo do país centro-americano, alvo de «uma flagrante tentativa de intromissão da administração» dos EUA com o propósito de o «desestabilizar».

Na semana passada, o Departamento do Tesouro dos Estados Unidos decretou sanções unilaterais contra quatro funcionários nicaraguenses: a coordenadora da Comissão de Economia Criativa, Camila Ortega Murillo; o presidente do Banco Central, Leonardo Reyes; o deputado Edwin Castro e o general de brigada Julio Rodríguez, informa a agência Prensa Latina.

A medida foi denunciada por Manágua como uma interferência de Washington nos seus assuntos internos, depois de o Ministério Público ter levado a cabo acções judiciais contra sete membros da oposição, pela alegada prática dos crimes de lavagem de dinheiro e de acções contra a soberania, de acordo com a Constituição e o edifício legal do país, segundo divulgaram as autoridades.

Venezuela repudia «política hostil» norte-americana

Num encontro que manteve em Caracas com a embaixadora da Nicarágua, Yaosca Calderón, o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros da Venezuela, Rander Peña, denunciou a «agressão» de que o país centro-americano é alvo, para «instigar uma implosão social».

O diplomata questionou a pretensão da administração de Joe Biden de invalidar a «acção soberana de abrir investigações contra criminosos financiados pela Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (Usaid)», revelou o Ministério numa nota.

Num comunicado emitido dia 11, o governo venezuelano já tinha condenado as medidas punitivas, «uma nova expressão da soberba imperialista» que visa evitar que o Estado nicaraguense tome decisões soberanas para garantir a paz e a estabilidade nacional.

Também o ministro dos Negócios Estrangeiros de Cuba, Bruno Rodríguez, condenou as sanções impostas pelos Estados Unidos à Nicarágua e a «ingerência nos seus assuntos internos», tendo reafirmado a solidariedade para com o povo nicaraguense e o seu presidente, Daniel Ortega.

Em declarações à imprensa, o secretário-geral da Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América (ALBA), Sacha Llorenti, denunciou que as medidas impostas pelos EUA violam o direito internacional e a Carta das Nações Unidas, e classificou-as como «intervencionistas, abusivas e extraterritoriais».

Direito à soberania e autodeterminação

O governo da Nicarágua protestou há uma semana, de forma veemente, contra as sanções impostas ao país. Num comunicado, o executivo nicaraguense – alvo frequente de sanções norte-americanas – classificou as medidas como «ilegais, arbitrárias, coercivas e unilaterais», e defendeu o direito legítimo do país à soberania, à autodeterminação e à autodefesa «perante os Estados Unidos da América e qualquer outra entidade colonialista e neocolonialista».

«Esta nova violação da soberania da Nicarágua só confirma o que temos denunciado sobre o vendepatrismo e as pretensões e acções terroristas e usurpadoras, que desde a tentativa de golpe de Estado de 2018 se têm vindo a acentuar», lê-se na nota.

O Parlamento da Nicarágua aprovou uma resolução de condenação contra a ingerência dos EUA, sublinhando a legalidade das acções promovidas pelo Ministério Público contra os cúmplices e promotores do golpe.

Tópico

Contribui para uma boa ideia

Desde há vários anos, o AbrilAbril assume diariamente o seu compromisso com a verdade, a justiça social, a solidariedade e a paz.

O teu contributo vem reforçar o nosso projecto e consolidar a nossa presença.

Contribui aqui