|armamento

«As disputas internacionais têm de ter uma resolução pacífica»

Várias organizações humanitárias reclamam uma solução pacífica para a guerra na Ucrânia, em clara oposição à corrida armamentista que se vem anunciando um pouco por todo o mundo.

Refugiados da autoproclamada República Popular de Donetsk aguardam, num alojamento provisório, pela possibilidade de regressarem às suas casas, quando a região possa regressar à calma em que vivia até à guerra desencadeada pela intervenção dos paramilitares e exército ucranianos, em 2014, há oito anos. Rostov, Rússia, 25 de Fevereiro de 2022
Refugiados da autoproclamada República Popular de Donetsk aguardam, num alojamento provisório, pela possibilidade de regressarem às suas casas, quando a região possa regressar à calma em que vivia até à guerra desencadeada pela intervenção dos paramilitares e exército ucranianos, em 2014, há oito anos. Rostov, Rússia, 25 de Fevereiro de 2022CréditosYURI KOCHETKOV / EPA

A deliberação assumida, ontem, pela ampla maioria dos deputados do Parlamento Europeu (PE), na resolução contra a guerra da Ucrânia, contrasta com as posições assumidas por dezenas de organizações humanitárias por toda a Europa.

«O PE reitera que os estados membros da UE devem aumentar os seus gastos na área da defesa (...), para fortalecer a base europeia dentro da NATO, aumentando, desta forma, a segurança da NATO e da União Europeia», defende o ponto 22, seguido pelo parecer de que «os estados membros da UE devem acelerar a provisão de armas defensivas à Ucrânia» (ponto 25).

A solução armamentícia foi reforçada ontem pelo enorme consenso das grandes famílias políticas europeias, da Aliança Progressista dos Socialistas e Democratas ao Partido Popular Europeu, passando pelas bancadas dos grupos políticos de extrema-direita: Identidade e Democracia (em que participa Frente Nacional francesa e a Liga Norte italiana) ou o partido Fidesz, de Viktor Órban. Segundo o Conselho Dinamarquês para os Refugiados (CDR), a escalada só «trará sérias consequências humanitárias para a população civil».

«Os esforços diplomáticos devem prevalecer sobre a intensificação da conflito armado já existente, impedindo o agravar do sofrimento humano», afimou Charlotte Slente, secretária-geral do CDR, em declarações feitas nos dias que se seguiram à invasão, «todas as partes envolvidas no conflito devem acordar um cessar-fogo duradouro, é a única maneira de proteger os civis e impedir a violação dos seus direitos».

«A comunidade internacional tem de se bater, unida, por uma solução diplomática»

«Às populações deve ser concedido o direito de se moverem livremente, e as associações de apoio devem ter o acesso, sem limitações, a todos os que precisem de ajuda», defende também o Comité Internacional de Resgate. Na mais drástica das hipóteses, o mundo «tem de se preparar para o pior, investindo em ajuda humanitária, dentro e fora da Ucrânia», não gastando milhares de milhões de euros a afogar a região em armas.

Num comunicado divulgado ontem, a Oxfam, uma das maiores organizações não-governamentais de luta contra a pobreza no mundo, reiterou os compromissos da carta das Nações Unidas: «Os membros da Organização deverão resolver as suas controvérsias internacionais por meios pacíficos, de modo a que a paz e a segurança internacionais, bem como a justiça, não sejam ameaçadas».

As guerras das elites pagam-nas os povos

A todos deve ser concedido o direito ao asilo, mas isto também tem de se aplicar «a todos os outros povos que fogem de conflitos armadas, seja na Ucrânia ou as populações do Iémen e do Afeganistão», reforça o comunicado da Oxfam. Nestes momentos, de grande perigo para a vida humana, «temos de nos unir em torno da nossa humanidade comum, na busca da paz e dos direitos humanos.

Florence Gillette, chefe da delegação do Comité Internacional da Cruz Vermelha em Kiev, assumiu, igualmente, uma posição em contraste com a assumida pela maioria dos deputados europeus: «Após oito anos de conflito, as populações não precisam, certamente, de mais violência, morte, destruição e desespero. Apelamos a todos os Estados que não poupem esforços e usem sua influência para evitar uma escalada do conflito, cujo custo e consequências para a população civil excederiam as capacidades humanitárias disponíveis».

Certo é que serão os mais vulneráveis, lembra a Oxfam, os primeiros a sofrer as consequência da invasão russa da Ucrânia. Em ambos os lados, são eles que «vão perder os seus trabalhos e o acesso a serviços indispensáveis, serão eles a sentir as maiores dificuldades em lidar com o dia a dia». Nomeadamente as crianças, os mais velhos e doentes, os desempregados, as pessoas que já se encontram antes do conflito, em situação de pobreza.

Tópico