|Bolívia

Alegria e esperança em La Paz

Luis Arce, vencedor das eleições presidenciais na Bolívia, foi ontem empossado como Presidente da República. A democracia regressa ao país, e com ela a esperança num futuro melhor para os bolivianos.

O presidente da Assembleia Legislativa, David Choquehuanca, entrega a faixa presidencial a Luis Arce, durante a tomada de posse deste como Presidente da República, em La Paz, Bolívia, a 8 de Novembro de 2020. A democracia regressa ao país após um ano de interregno em que o cargo foi ocupado por uma presidente «de facto» Jeanine Áñez, na sequência do golpe de Estado antipopular de Novembro de 2019
O presidente da Assembleia Legislativa, David Choquehuanca, entrega a faixa presidencial a Luis Arce, durante a tomada de posse deste como Presidente da República, em La Paz, Bolívia, a 8 de Novembro de 2020. A democracia regressa ao país após um ano de interregno em que o cargo foi ocupado por uma presidente «de facto» Jeanine Áñez, na sequência do golpe de Estado antipopular de Novembro de 2019 Créditos / ABI

A cerimónia de tomada de posse de Luis Arce como novo Presidente da República ocorreu na sede do poder legislativo do país, a Assembleia Plurinacional, onde o novo mandatário recebeu a faixa e a medalha presidencial das mãos do presidente do órgão legislativo, David Choquehuanca.

Revestiu-se de grande simbolismo, para a unidade do país, o detalhe de ter sido reposta na faixa presidencial a Wiphala, bandeira nacional dos povos indígenas mandada retirar pela «presidente de facto» Jeanine Áñez, nomeada na sequência do golpe de Estado reaccionário de 2019, e cuja gestão ficou marcada por declarações e actos de exacerbado racismo contra as populações indígenas.

Recorde-se que a Bolívia é constitucionalmente um Estado Plurinacional com mais de 30 nações reconhecidas totalizando aproximadamente cerca de 3,5 milhões de habitantes, mais de 30% da população do país.

O parlamento aplaudiu e aclamou Luis Arce durante a cerimónia, com gritos de «Lucho, Lucho», «Viva Bolívia!» e «Viva Bolívia unida!» a distinguirem-se mais fortes.

Um momento comovente aconteceu enquanto a sala entoava o hino nacional da Bolívia, com a maioria dos presentes colocando a mão sobre o coração e elevando o braço esquerdo com o punho erguido, incluindo a mesa onde se encontravam Luis Arce e as novas autoridades do país.

Tópico