|artes

O cinema africano e a ilustração

«Sarah Maldoror: Cinema Tricontinental» na Cordoaria Nacional, a Festa da Ilustração em Setúbal e a exposição «Vim de lá – Colagens de Memórias» de Paula Delecave no Centro Cultural Malaposta.

Exposição retrospetiva «Sarah Maldoror: Cinema Tricontinental», no Torreão Nascente da Cordoaria Nacional, em Lisboa, até 27 de novembro / Bildjanst-H. Nicolaisen, Portrait de Sarah Maldoror, s.l., s.d 
Exposição retrospetiva «Sarah Maldoror: Cinema Tricontinental», no Torreão Nascente da Cordoaria Nacional, em Lisboa, até 27 de novembro / Bildjanst-H. Nicolaisen, Portrait de Sarah Maldoror, s.l., s.d Créditos

«Sarah Maldoror: Cinema Tricontinental» é uma exposição retrospetiva da realizadora francesa e figura de destaque no cinema africano, agora no Torreão Nascente da Cordoaria Nacional1, em Lisboa, até 27 de novembro. A exposição tem como curador François Piron e, além das obras de Sarah Maldoror2, apresenta também peças de Maya Mihindou, Chloé Quenum e Anna Tje, desafiadas a dialogar e criar a partir do trabalho de Maldoror. A exposição apresenta diversos retratos de artistas e poetas negros e de mulheres negras em França e uma instalação que reúne excertos de alguns dos mais de 45 filmes que realizou, assim como documentos, pinturas, fotografias e esculturas.

A obra de Sarah, bastante referenciada no campo da arte contemporânea, além de passar pelo cinema, ligou-se também à poesia, teatro, música, artes visuais e à política e, embora sem obedecer completamente às leis do género cinematográfico, apresentou o seu trabalho como ficção e documentário. Sarah Maldoror é considerada uma pioneira do cinema africano, engajada nas lutas dos movimentos de libertação de várias nações do continente africano nas décadas de 1960 e 1970, em particular nos movimentos de libertação dos países africanos de língua portuguesa (Angola e Guiné-Bissau), assim como também se encontra próxima dos poetas do Caribe francófono (Césaire, Damas, Glissant), como refere o texto da exposição. A sua produção multifacetada afirma-se como fazendo parte de um cinema revolucionário, firmemente antirracista e irreverente.

Exposição «André Letria» na Casa da Cultura, em Setúbal, até 27 de novembro / André Letria

Esta exposição é organizada pelo Palais de Tokyo, Paris, e pelas Galerias Municipais de Lisboa no âmbito da programação da Temporada Portugal-França 2022, com apoio de Institut Français, Instituto Camões e Gabinete de Estratégia, tendo sido apresentada no Palais de Tokyo em Paris, entre novembro de 2021 e março de 2022. No texto da exposição Palais de Tokyo acrescentam a informação que, no âmbito destas exposições sobre Sarah Maldoror: Tricontinental Cinema, foi também publicada uma revista gratuita editada por Cédric Fauq e François Piron e coordenada por Clément Raveu, que integra um acervo de documentos visuais e textuais reunidos ao longo da fase de pesquisa para a exposição, incluindo uma com as filhas de Maldoror, que ajudam a contextualizar e completar a biografia e filmografia de Sarah Maldoror.

Como já tinha sido publicado em janeiro no AbrilAbril, a 8.ª edição da Festa da Ilustração em Setúbal iniciou em Outubro em vários equipamentos culturais do concelho evocando a memória do escritor e editor João Paulo Cotrim (1965-2021), criador e curador da Festa da Ilustração. O português André Letria e o francês Alain Corbel, ilustradores que colaboraram com o homenageado, são outras das figuras em destaque, com exposições na Casa da Cultura3, que podem vistas até 27 de novembro. A exposição «Se não lhe fizer falta», do homenageado João Paulo Cotrim, pode também ser visitada até 27 de novembro na Casa d’Avenida4.

Exposição «Alain Corbel» na Casa da Cultura, em Setúbal, até 27 de novembro / Alain Corbel

José Teófilo Duarte, curador da Festa da Ilustração, que é organizada pela Câmara Municipal de Setúbal em parceria com a DDLX – Design | Comunicação e a editora Abysmo, referiu que a aposta da Festa da Ilustração é ter «ilustração com atitude», acrescentando que «são ilustradores que têm atitude, têm opinião e têm uma dimensão internacional. E todos são tratados com a mesma importância. É um acontecimento único, que tanto a cidade como o país deviam adotar como seu».

Sobre Alain Corbel, refere-se no texto da exposição, a sua «forte ligação a Portugal, onde trabalhou para várias revistas e jornais», e desde 2000 a sua ligação também é forte com a «África de língua portuguesa». O ilustrador Alain Corbel recebeu o Prémio Nacional de Ilustração em 2002 com a obra Contos e Lendas de Macau, de Alice Vieira.

Já acerca de André Letria, assinala-se que se tem dedicado à ilustração desde 1992, vindo a publicar os seus trabalhos em livros infantis, jornais e revistas, fez cenografia para teatro e realizou filmes de animação. O ilustrador português André Letria ganhou o Prémio Gulbenkian e o Prémio Nacional de Ilustração e venceu dois prémios de ilustração, na Coreia do Sul e na China, com o livro A Guerra, escrito por José Jorge Letria e editado em 2018.

No âmbito da Festa da Ilustração, até 27 de novembro, podemos ainda ver em Setúbal as exposições «Levar à Letra» na Casa D’Avenida, com trabalhos «em que se explica como o significado dos textos é alterado pela forma como as letras são desenhadas»; a Exposição de «José de Lemos» na Galeria Municipal Do 11; a exposição de ilustradores locais «VER AO PERTO» na Casa do Largo. A exposição «NUVENS», de João Francisco Vilhena, no Museu De Setúbal/Convento De Jesus, vai poder ser visitada até 30 dezembro.

Exposição «Vim de lá – Colagens de Memórias» de Paula Delecave no foyer do Centro Cultural Malaposta, em Olival Basto, Odivelas, até 2 de dezembro / Paula Delecave

Continuando na área da ilustração, registamos a exposição «Vim de lá – Colagens de Memórias», da artista visual brasileira Paula Delecave5, que está exposta no foyer do Centro Cultural Malaposta6, em Olival Basto, Odivelas, até 2 de dezembro.

A ilustradora, designer e atriz Paula Delecave «reúne uma série de 32 colagens, feitas a partir de arquivos fotográficos familiares e de anónimos, evocando de forma humorada e surpreendente o tema das memórias», como nos diz o texto da exposição, acrescentado ainda que Paula é «uma espécie de guardiã das fotografias de família, esses traços da memória. Nesta exposição reúne novamente a fotomontagem e as memórias, mergulhando no baú das fotos e cadernos de família, recortes guardados há tempos, mas agora com outras lentes, despenteando os retratos para depois os remendar e recriar».

Acerca do «Vim de lá», que dá título à exposição, a ilustradora salientou, numa recente entrevista, que esta expressão foi retirada do samba «Alguém me Avisou», como homenagem a Dona Ivone Lara, referindo ainda que «vim de lá» do Rio de Janeiro, «vim de lá» de Trás-os-Montes, «vim de lá» da Galiza, «vim de lá» do Piauí (um dos estados no Nordeste do Brasil) e de outros tantos lugares» que fazem parte das suas origens. Dos seus trabalhos mais recentes, salientamos a ilustração do livro O Avô tem uma borracha na cabeça, em parceria com Rui Zink.


O autor escreve ao abrigo do Acordo Ortográfico de 1990 (AO90)

  • 1. Torreão Nascente da Cordoaria Nacional – Avenida da Índia, 1300-299 Lisboa. Horário: terça a domingo: 10h-13h e 14h-18h.
  • 2. A cineasta Sarah Maldoror (1929-2020) nasceu em Gers, em 1929, e «emerge na cena cultural parisiense em meados da década de 1950, utilizando já o nome adotado de Maldoror em alusão ao herói maléfico dos Cantos de Maldoror (1868), do Conde de Lautréamont, redescobertos e celebrados pelos poetas surrealistas e nos quais Aimé Césaire encontrava “o homem de ferro forjado pela sociedade capitalista” (in Discurso sobre o Colonialismo, 1950)», como se apresenta no texto da exposição. Na cena intelectual e artística de Paris dos anos 50 co-fundou a primeira companhia de teatro negro em França: Les Griots. O seu encontro em Paris com o poeta e ativista político Mário Pinto de Andrade, que se tornará um companheiro de vida, levá-la-á à Guiné, onde surge o seu desejo de trabalhar com cinema, bem como a oportunidade de estudar cinema em Moscovo. Durante os anos 60, Maldoror e a sua família estabeleceram-se em Argel, a capital panafricana da época, onde colaborou com os cineastas Gillo Pontecorvo (The Battle of Algiers), Ahmed Lallem (Elles) e William Klein (Panafrican festival), antes de poder lançar a sua primeira curta-metragem, Monangambeee, em 1969, com uma partitura do Art Ensemble of Chicago.
  • 3. Casa da Cultura – R. Detrás da Guarda 28, 2900-347 Setúbal. Horário: terça a sábado, 10h-24h; domingo, 10h-22h.
  • 4. Casa d’Avenida – Av. Luísa Todi 286, 2900-452 Setúbal. Horário: segunda a sexta, 14h-18h; sábado 11h-13h; e domingo, 14h-18h.
  • 5. Paula Delecave nasceu no Rio de Janeiro (1975) e reside em Lisboa. Utiliza a colagem como linguagem gráfica. Licenciada em Comunicação Visual na Pontifícia Universidade Católica (PUC) e em Teatro na Casa das Artes de Laranjeiras (CAL), ambas no Rio de Janeiro, e pós-graduada em Livro Infantil, na Pontifícia Universidade Católica, Lisboa. Realiza regularmente oficinas de colagem (construção de livros de memórias), a partir do trabalho realizado no livro O Avô tem uma borracha na cabeça, para famílias e escolas em Portugal e no Rio de Janeiro.
  • 6. Centro Cultural Malaposta – Rua Angola 2620-492 Olival Basto. Horário: terça a sábado, 14h30-18h.

Tópico