|cinema

Mais prémios para «Vitalina Varela»

Desta feita foi a Sociedade Cinéfila Internacional (SCI) a atribuir uma dupla distinção ao filme português de Pedro Costa, em duas categorias, a de melhor actriz e a de melhor fotografia.

Fotograma de «Vitalina Varela»
Fotograma de «Vitalina Varela»Créditos / Film Festival Cologne

A SCI divulgou esta quinta-feira na sua página oficial da internet os vencedores deste ano. A estrutura, formada em 2003, reúne mais de 120 profissionais do sector, como professores de cinema, historiadores, críticos e jornalistas especializados, provenientes de mais de 30 de países de todos os continentes.

Na categoria de melhor actriz, Vitalina Varela, foi distinguida entre outras nomeadas como Scarlett Johansson, por Marriage Story e Lupita Nyong’o, em Us, tendo a organização vincado o «poder e graça surpreendentes de como uma viúva cabo-verdiana vai descobrindo algumas verdades duras sobre a vida de imigrante do falecido marido em Portugal».

Leonardo Simões recebeu o prémio de melhor fotografia, para a qual também estava nomeado o experiente Roger Deakins por 1917, sendo distinguidas as suas «lentes escuras e poéticas».

A SCI considerou Vitalina Varela como um dos 25 melhores filmes de 2019.

Recorde-se que a longa-metragem de Pedro Costa teve estreia mundial em Agosto do ano passado no Festival de Cinema de Locarno, na Suíça, onde conquistou os principais prémios do certame, o Leopardo de Ouro e Leopardo de melhor interpretação feminina e, desde então, tem sido exibido e tem recebido vários prémios em diversos festivais internacionais de cinema.

O filme conta a história de uma mulher cabo-verdiana que passou grande parte da sua vida à espera de ir ter com o marido, Joaquim, emigrado em Portugal, e que só chegou ao País três dias depois do seu funeral.

Pedro Costa, quando recebeu o prémio em Locarno, explicou que o seu objectivo passa por falar de «pessoas que vivem hoje no esquecimento, dormem nas ruas, são torturadas. O cinema pode protegê-los, de certa forma a vingar uma parte desta situação, porque pode ser exibido em qualquer lado».

Com agência Lusa

Tópico