|Energia

Transição energética só com controlo público

O Governo continua a «demitir-se» das suas responsabilidades, enquanto accionista da Galp, e não pauta a sua intervenção pela defesa da soberania e do desenvolvimento, diz a comissão de trabalhadores.

CréditosEstela Silva / Lusa

A comissão central de trabalhadores da Petrogal reuniu com o secretário de Estado Adjunto e da Energia para debater a chamada «transição energética» e os seus impactos para os trabalhadores. 

A estrutura entende que é necessária uma clarificação sobre o que se pretende deste processo, para que sejam definidos, «de forma soberana», os objectivos para o sector da energia, e sobretudo, para que o processo decorra «preservando os postos de trabalho e o aparelho produtivo nacional», e se possível, valorizando-os. 

O Governo, que afirma pretender levar a cabo uma alteração profunda da matriz energética estabelecida, não prevê outro investimento público a não ser a transferência de milhões de euros de fundos comunitários e «o abdicar de outros tantos milhões de receitas fiscais em isenções e benefícios», denunciam os trabalhadores em comunicado.

Para a comissão de trabalhadores fica claro que o Executivo se «demite» das suas responsabilidades de segundo accionista na Galp e que, em vez de projectar na empresa a sua intervenção no sector para a defesa das questões estratégicas de soberania e desenvolvimento, «se limita a esperar receber dividendos dessa sua participação no capital da empresa».

«Não aceitamos que o Governo continue a derramar milhares de milhões de euros sobre o sector em nome de um processo, "a transição energética", que só poderá dirigir recuperando o controlo público sobre empresas estratégicas», lê-se na nota.

Tópico