|EMEL

Trabalhadores da EMEL exigem aumentos salariais

A concentração desta tarde rejeita «aumentos de miséria», que deixam de fora quase 300 trabalhadores, e reclama aumentos dignos.

Trabalhadores da EMEL concentraram-se em frente à Camara Municipal de Lisboa, a 30 de Junho de 2021, para rejeitar o encerramento unilateral das negociações salariais por parte da administração da empresa, e por aumentos dignos
Trabalhadores da EMEL concentraram-se em frente à Camara Municipal de Lisboa, a 30 de Junho de 2021, para rejeitar o encerramento unilateral das negociações salariais por parte da administração da empresa, e por aumentos dignosCréditosMiguel A. Lopes / LUSA

Alegando «dificuldades financeiras», a EMEL diz que não tem condições para aumentar todos os trabalhadores e avança com aumentos entre os 5 e os 20 euros apenas para parte deles, denuncia o Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviço (CESP/CGTP-IN) em comunicado.

No entanto, a organização sindical lembra que a quebra nas receitas devido à suspensão da actividade e o seu impacto foi colmatado pela Câmara Municipal de Lisboa com um encaixe de cinco milhões de euros.

Por outro lado, os trabalhadores também se recordam dos resultados «muito significativos» que a empresa tem vindo a ter ao longo dos últimos anos.

Nesse sentido, foi elaborado um abaixo-assinado em que se alertava para o «caminho negativo que as negociações estavam a tomar», que foi entregue aos responsáveis da Câmara, mas em relação ao qual não houve qualquer resposta.

Agora que a empresa encerra unilateralmente as negociações, os trabalhadores em protesto pedem responsabilidades ao presidente da Câmara pela proposta «mínima e discriminatória» e exigem a reabertura das conversações com vista à apresentação de «uma proposta séria com aumentos dignos e para todos».

Tópico