|precariedade

Só contratos efectivos resolvem problemas na Autoeuropa

Há vários meses que, por motivos diversos, faltam trabalhadores nas linhas de produção, refere-se num comunicado distribuído pela comissão sindical.

CréditosJOSÉ SENA GOULÃO / LUSA

A comissão sindical do Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Actividades do Ambiente do Sul (SITE Sul/CGTP-IN) na empresa defende num comunicado que, em detrimento de recorrer a mais trabalhadores temporários para fazer face às dificuldades por que é responsável na produção, a administração da VW Autoeuropa deve contratar com vínculo efectivo e readmitir, também como efectivos, os trabalhadores que despediu em 2020.

No ano passado, a empresa despediu cerca de 200 trabalhadores contratados a prazo, para depois recorrer à contratação de trabalhadores temporários em condições precárias, invocando a necessidade de reforçar as equipas, lembra a comissão sindical.

Agora, com o aumento do número de trabalhadores ausentes nas linhas, devido à Covid-19 e à prestação de assistência a filhos menores por causa do fecho das escolas, a administração volta a aumentar a precariedade na empresa, com o recurso a mais trabalhadores temporários.

A alguns destes a empresa comunicou que irão trabalhar durante um curto período, para substituição de trabalhadores ausentes devido a isolamento profiláctico ou doença, refere a nota.

«Os novos trabalhadores devem ser contratados directamente pela VW Autoeuropa, com as mesmas condições que os restantes trabalhadores, e não através de uma empresa de trabalho temporário, que visa apenas o lucro e a exploração», pode ler-se no comunicado.

O SITE Sul entende ainda que a Autoeuropa tem condições para garantir a totalidade do salário aos trabalhadores que tenham necessidade de prestar assistência aos filhos menores de 12 anos, tal como fez quando recorreu ao lay-off simplificado.

Tópico