|Saúde

Sindicato prevê forte adesão à greve no SUCH

Os dados recolhidos pelo Sindicato da Hotelaria do Norte apontam para uma adesão massiva à greve de segunda-feira, prevendo o encerramento das cantinas dos hospitais de São João e Pedro Hispano.

Trabalhadores do Serviço de Utilização Comum dos Hospitais (SUCH) numa concentração junto aos escritórios da empresa no Porto. 20 de Agosto de 2014
Trabalhadores do Serviço de Utilização Comum dos Hospitais (SUCH) numa concentração junto aos escritórios da empresa no Porto. 20 de Agosto de 2014CréditosFernando Veludo / Agência LUSA

A greve nacional que os trabalhadores do Serviço de Utilização Comum dos Hospitais (SUCH) realizam amanhã deve ter uma adesão massiva na região, aponta o Sindicato da Hotelaria do Norte (CGTP-IN) em comunicado.

As informações recolhidas pela estrutura apontam para o encerramento das cantinas dos hospitais de São João (Porto) e Pedro Hispano (Matosinhos). No primeiro, o sindicato denuncia a intenção do encarregado em colocar os trabalhadores nomeados para os serviços mínimos aos doentes acamados a prestar serviço no refeitório, uma situação ilegal que já motivou um protesto junto da empresa.

A adesão nas lavandarias também deverá ser muito significativa e o sindicato já indicou que os trabalhadores que vão assegurar os serviços mínimos.

Aumentos salariais e 35 horas

A greve nacional de amanhã foi convocada pela Federação dos Sindicatos da Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal (Fesaht/CGTP-IN).

Os trabalhadores da empresa que assegura a manutenção, as lavandarias e a confecção de refeições das unidades de saúde exigem aumentos salariais de 4%, num mínimo de 40 euros, assim como a redução do horário de trabalho semanal para as 35 horas, tal como acontece na generalidade do sector público, e 25 dias de férias anuais. Reivindicam ainda o pagamento de um subsídio de risco de 50 euros mensais, um acréscimo de 25% no trabalho ao fim-de-semana e a criação de um regime de diuturnidades.

Em reunião com os sindicatos, a empresa apenas aceitou actualizar o subsídio de refeição, que os trabalhadores exigem que passe para 4,77 euros por dia, deixando as restantes reivindicações sem resposta.

O SUCH é associação de direito privado que tem como associadas várias unidades de saúde públicas e assegura um conjunto de serviços essenciais para o funcionamento do Serviço Nacional de Saúde.

Tópico