|Repressão patronal

Parlamento aprova voto solidário com Cristina Tavares

A Assembleia da República aprovou esta sexta-feira um voto de solidariedade com Cristina Tavares e demais trabalhadores que são alvo de repressão patronal. Apenas o PSD e o CDS-PP se abstiveram.

Marcha Solidária com Cristina Tavares, contra a repressão e os depedimentos ilegais
Marcha Solidária com Cristina Tavares, contra a repressão e os depedimentos ilegais Créditos

O documento, levado a votação pelo PCP, foi aprovado com os votos favoráveis do PS, BE, PEV, PAN e as abstenções do CDS-PP e do PSD.

O voto de solidariedade sublinha o caso de Cristina Tavares, vítima de repressão patronal, mas também a «coragem» desta operária por ter denunciado vários casos, sem nunca se ter vergado perante a sistemática repressão movida contra si.

«Esta trabalhadora tem sido vítima de repressão insidiosa e brutal apenas porque não desiste do posto de trabalho e de ver cumpridos os seus direitos. Este processo de violência física e psicológica sobre Cristina Tavares é inaceitável», lê-se.

Além de repudiar a repressão movida pela corticeira Fernando Couto, o PCP deixa ainda duras críticas sobre a associação patronal do sector corticeiro, que «mantém um silêncio absoluto sobre esta violação de direitos humanos».

Apesar de referir e enumerar os muitos abusos que Cristina Tavares sofreu na pele, decorrentes da repressão patronal da corticeira Fernando Couto, o voto pretendeu ainda manifestar «solidariedade com todos os trabalhadores sujeitos à repressão, assédio e violação de direitos, liberdades e garantias nos locais de trabalho».

Com o voto foi ainda aprovada a condenação das «práticas de negação, desrespeito e violação dos direitos dos trabalhadores» e a promoção do «respeito integral pelo cumprimento da Lei e da Constituição».

Tópico