|cuidados de saúde

No Dia Mundial da Saúde luta-se pelo SNS

As quatro maiores estruturas sindicais do sector da Saúde exigem em Lisboa, no próximo dia 7, o reforço do Serviço Nacional de Saúde e a valorização dos seus trabalhadores.

Trabalhadores do Hospital de Braga em greve protestam contra a injustiça de que são alvo, uma vez que continuam a ser vítimas da discriminação face aos trabalhadores de outras unidades hospitalares que estão abrangidos pelo acordo colectivo de trabalho da Saúde. Braga, 20 de Julho de 2020.
CréditosHugo Delgado / Lusa

Em comunicado, o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP/CGTP-IN), o Sindicato Nacional dos Técnicos Superiores de Saúde das Áreas de Diagnóstico e Terapêutica (STSS/CGTP-IN), a Federação Nacional dos Médicos (FNAM) e a Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais (FNSTFPS/CGTP-IN) anunciam que vão realizar uma acção conjunta, pelas 11h, frente ao Ministério da Saúde, em Lisboa.

Como a história recente demonstrou «de forma inequívoca», o Serviço Nacional de Saúde (SNS) é da «maior importância» na vida das populações, lê-se no comunicado, pelo que está em causa a exigência do seu reforço.

Nesta acção serão também afirmadas a necessidade de valorização dos trabalhadores de todas as profissões da Saúde, bem como o necessário reforço de recursos humanos nos serviços e a abertura de negociações com o Ministério.

Para além da presença dos principais responsáveis das estruturas sindicais organizadoras, a acção contará com a presença solidária de Isabel Camarinha, secretária-geral da CGTP-IN.

Tópico