|indústria conserveira

Não deixar esquecer a luta dos operários conserveiros

A União dos Sindicatos de Setúbal (USS/CGTP-IN) e a URAP realizam, a 13 de Março, em Setúbal, um acto público conjunto para assinalar a luta de 1911 e «os fuzilamentos de Setúbal».

Estátua dedicada a Mariana Torres, no Largo da Fonte Nova, Bairro do Troino, em Setúbal. 
Estátua dedicada a Mariana Torres, no Largo da Fonte Nova, Bairro do Troino, em Setúbal. CréditosOrlando Almeida / Evasões

A acção vai evocar a memória de um momento fundamental da história dos trabalhadores portugueses, em que «os trabalhadores conserveiros lutavam pelo aumento do salário e viram a sua luta reprimida pela recém-criada GNR, tendo originado a morte dos operários António Mendes e Mariana Torres», refere o comunicado da União dos Sindicatos de Setúbal (USS/CGTP-IN), enviado ao AbrilAbril.

A greve de Setúbal arrancou no final de Fevereiro, pela mão das mulheres empregadas nas fábricas de conservas da região, que pretendiam passar a auferir 50 réis independentemente de se tratar de trabalho diurno ou nocturno. A República tinha sido declarada apenas cinco meses antes.

Esta luta foi mobilizando cada vez mais sectores do operariado, culminando no dia 13 de Março, quando os patrões de duas conserveiras da cidade procuram contornar os efeitos da greve substituindo os trabalhadores ausentes. Os confrontos que se verificaram entre as largas centenas de grevistas, aglomerados na Avenida Luísa Todi, e agentes da GNR que escoltavam os patrões, culminou no assassinato dos operários António Mendes e Mariana Torres.

Em resposta à acção criminosa por parte das forças policiais da recém-formada República, os trabalhadores da Região de Lisboa e Alentejo convocam a primeira greve geral em Portugal, que se realizou dias mais tarde, a 20 de Março de 1911. Dezenas de milhares de trabalhadores abandonam os seus postos de trabalho em solidariedade com os operários de Setúbal.

Por tudo isto, «lembrar a luta dos operários conserveiros é lembrar a actual luta pelo aumento de salários, pela redução do horário de trabalho e por melhores condições de trabalho».

A iniciativa terá lugar às 10h, no Largo da Fonte Nova, no Bairro do Troino, em Setúbal. No dia 8 de Março de 2016, a Câmara Municipal de Setúbal, no contexto das comemorações do Dia Internacional da Mulher, inaugurou uma estátua dedicada a Mariana Torres, operária conserveira assassinada em 1911 durante uma manifestação em defesa dos direitos dos trabalhadores. 

Maria das Dores Meira, então presidente da autarquia sadina, valorizou, na cerimónia de inauguração da estátua da autoria de Jorge Pé-Curto, a firmeza e o exemplo dos trabalhadores, representados nesta «mulher, que não se vergou à pobreza, que não receou a opressão, que fez da coragem a única arma».

Tópico