|conferência

A memória é indissociável do sindicalismo

A CGTP-IN vai realizar uma conferência no dia 12 de Novembro, em Lisboa, «para debater a situação do património documental e museológico do movimento sindical» nacional e internacional.

A convocatória da CGTP-IN dá o mote para o encontro: «Como estão as organizações sindicais, em Portugal, a salvaguardar o seu património documental e museológico? Que projectos existem no nosso país que promovam a organização, preservação e valorização deste património?».

Foi para dar resposta a estas questões que a CGTP-IN convidou a Direcção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas (DGLAB), a Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC) e Rita Rato, directora do Museu do Aljube. Também as políticas públicas sobre acervos e memória vão estar em debate, será que a «legislação existente assegura a concretização destas tarefas?».

A conferência vai também reunir confederações sindicais internacionais: a Central Única de Trabalhadores (CUT), do Brasil, as Comisiones Obreras (CCOO) e a Unión General de Trabajadores (UGT), ambas de Espanha, e a Confédération Générale du Travail (CGT), de França; e diversas organizações sindicais nacionais, dos mais diversos sectores de actividade.

A CGTP-IN pretende, com esta inicitiva, «estimular a discussão em torno destes temas e apresentar o trabalho que tem desenvolvido no que respeita à organização, preservação e valorização do seu património documental e museológico», criando uma ocasião singular para «sensibilizar trabalhadores, dirigentes, delegados e funcionários sindicais, comunidade académica, sociedade em geral, para a importância da salvaguarda deste património e a sua relevância para o conhecimento da memória operária e sindical e, com isso, para uma mais completa compreensão da nossa história colectiva».

Com o nome «Movimento Sindical: Arquivos, Memória, Património», a conferência terá lugar no 12 de Novembro de 2021 no auditório da CGTP-IN, em Lisboa. Com início às 9h30 a iniciativa terminará, às 17h10, com uma intervenção da secretária-geral da Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses - Intersindical Nacional, Isabel Camarinha.

Tópico