|direitos dos trabalhadores

Grupo Pestana substitui refeição dos trabalhadores por sandes de pão de forma

Ao substituir as refeições por sandes, o Hotel Pestana Alvor Praia (Grupo Pestana) alegou uma orientação da Direcção-Geral da Saúde. O Sindicato da Hotelaria do Algarve já pediu a intervenção da ACT.

Créditos / Sindicato da Hotelaria do Algarve

Após a reabertura do Hotel Pestana Alvor Praia, que tinha encerrado em Março devido ao novo coronavírus, os trabalhadores foram surpreendidos com a decisão da administração de deixar de fornecer as refeições, informa a estrutura sindical em comunicado.

A decisão do grupo hoteleiro terá sido tomada «alegadamente com base numa suposta orientação da Direcção-Geral da Saúde [DGS], substituindo as refeições por miseráveis sandes de pão de forma», lê-se no texto.

O Sindicato da Hotelaria do Algarve (CGTP-IN), que considera a medida do Grupo Pestana «totalmente reprovável», já solicitou a intervenção da Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT).

«O direito à alimentação em espécie, que o patronato vem retirando nos últimos anos em algumas empresas com o objetivo de aniquilar este direito irrenunciável, foi uma conquista histórica dos trabalhadores da hotelaria e restauração», lê-se no documento.

Tal direito, acrescenta, «encontra-se consagrado em todos os contratos colectivos de trabalho» do sector negociados pelas estruturas sindicais afectas à Intersindical.

Exploração no sector do Turismo

A estrutura sindical denuncia a decisão do Grupo Pestana, que classifica como «ilegal e totalmente insensível», sobretudo no período «particularmente difícil que os trabalhadores estão a viver, num quadro em que os seus rendimentos foram brutalmente reduzidos».

Para o Sindicato da Hotelaria do Algarve, a medida da administração «torna ainda mais clara a natureza exploradora dos grupos económicos e do patronato do sector do Turismo, que não perdem uma oportunidade para aumentar a exploração e avançar na retirada de direitos aos trabalhadores».

Neste sentido, o sindicato apela aos trabalhadores do Grupo Pestana «para se sindicalizarem, unirem, organizarem e lutarem em defesa do direito ao fornecimento das refeições no local de trabalho», tal como está consagrado na contratação colectiva, bem como pela melhoria dos salários e das condições de trabalho.

Tópico