|precariedade

Greve no call center da Fidelidade a 2 de Janeiro

Os trabalhadores do call center da Fidelidade Seguros, em Évora, decidiram em plenário avançar para greve, por aumentos salariais, o fim dos vínculos precários e a aplicação do contrato colectivo.

Trabalhadoras em protesto denunciam situação «fraudulenta»
Trabalhadoras em protesto denunciam situação «fraudulenta»CréditosNUNO VEIGA / LUSA

Em nota de imprensa, o  Sindicato Nacional dos Profissionais de Seguros e Afins (Sinapsa/CGTP-IN) afirma que a decisão de avançar para greve foi tomada em plenário de trabalhadores, por unanimidade, no passado dia 21 de Dezembro.

«A Fidelidade e a Newspring (empresa de trabalho temporário) não aceitaram qualquer tipo de acordo e negociação, deixando sem alternativa estes trabalhadores, senão avançar para a greve», afirma a estrutura sindical.

Entre as reinvindicações, os trabalhadores exigem aumentos salariais de 45 euros, a subida do subsídio de alimentação, a aplicação do contrato colectivo de trabalho do ramo segurador e que a cada posto de trabalho permanente corresponda um vinculo de trabalho efectivo.

Em Maio passado, os trabalhadores da Fidelidade realizaram uma greve que reuniu centenas à porta do call center em protesto contras as más condições de trabalho e a precariedade fomentada pela seguradora.

Para além da greve, está marcada para 2 de Janeiro uma concentração de trabalhadores às 10h30, à porta da empresa, onde será também realizado um plenário de forma a decidir novas formas de luta.

Tópico

Contribui para uma boa ideia

Desde há vários anos, o AbrilAbril assume diariamente o seu compromisso com a verdade, a justiça social, a solidariedade e a paz.

O teu contributo vem reforçar o nosso projecto e consolidar a nossa presença.

Contribui aqui