|Indústria alimentar

Greve na APAPOL convocada para 24 e 31 de Dezembro

Os trabalhadores da APAPOL – Aliança Panificadora de Algés, Paço de Arcos e Oeiras decidiram avançar com uma greve de dois dias, por aumentos salariais e o cumprimento da contratação colectiva.

Créditos / Pixabay

Além da paralisação, os trabalhadores da APAPOL decidiram que vão realizar uma concentração de protesto, em frente à porta da sede da empresa, no Mercado de Algés, durante a manhã de 24 de Dezembro.

O pré-aviso de greve foi entregue pelo Sindicato dos Trabalhadores da Agricultura e das Indústrias de Alimentação, Bebidas e Tabacos de Portugal (Sintab/CGTP-IN).

Entre as reivindicações, os trabalhadores exigem aumentos salariais justos para todos, a aplicação da contratação colectiva e a negociação e aplicação de categorias profissionais na empresa.

No passado dia 15 de Novembro, os trabalhadores da APAPOL estiveram em greve, tendo realizado uma concentração de protesto no Mercado de Algés e levado os seus problemas à manifestação nacional da CGPT-IN.

O Sintab frisa que, por lei, os pasteleiros têm direito a dois dias de descanso por semana, mas neste momento apenas usufruem de um. A estrutura acusa a APAPOL de intransigência, visto que «nas outras empresas panificadoras os trabalhadores já usufruem de dois dias de descanso, como é o caso da Panisol».

«Uma das nefastas características da administração da APAPOL é a de não respeitar minimamente as categorias profissionais dos trabalhadores e as consequentes progressões na carreira», afirma o sindicato, que acrescenta que há trabalhadores com mais de dez e 20 anos de casa ainda a ganhar o salário mínimo nacional.

Além disso, o Sintab denuncia que a administração pauta a sua acção por uma política salarial discriminatória, aumentando «os ordenados quando e a quem quer, tendo em conta os seus interesses e procurando criar a divisão e a desunião entre os trabalhadores».

Tópico