|precariedade

Greve força acordo na Plural Entertainment

Na sequência da greve realizada de 4 a 10 de Dezembro, os trabalhadores do Grupo Plural Entertainment alcançaram um acordo, que prevê aumentos salariais de 40 euros e menos 500 horas do horário máximo.

Piquete de greve dos trabalhadores da Plural, uma das maiores produtoras de conteúdos para televisão. Os trabalhadores continuarão em greve parcial até ao dia 10, realizando apenas 8 horas de trabalho diário. O piquete de greve contou com a presença solidária de uma delegação da CGTP-IN e da União de Sindicatos de Lisboa, liderada pelo Secretário-Geral da CGTP-IN, Arménio Carlos. 5 de Dezembro de 2018, Bucelas, Loures.
Piquete de greve dos trabalhadores da Plural, uma das maiores produtoras de conteúdos para televisão.Créditos / CENA-STE

O anúncio foi feito hoje pelo Sindicato dos Trabalhadores de Espectáculos, do Audiovisual e dos Músicos (CENA-STE/CGTP-IN), apesar de o acordo com o Grupo Plural já ter sido aprovado em plenário na sexta-feira passada.

Em comunicado, o CENA-STE salienta que o acordo com a administração prevê a redução gradual do horário máximo de trabalho, devolvendo quase 500 horas por ano aos trabalhadores, e aumentos salariais escalonados que beneficiam os mais baixos, na ordem dos 40 euros.

O acordo prevê ainda uma garantia de que os trabalhadores freelancers não serão prejudicados pela sua intervenção sindical, além de que as negociações continuarão nos próximos anos, no sentido de recuperar direitos e de alcançar a «necessária reorganização da empresa com o objectivo de atingir as 8h de trabalho diário».

Por outro lado, a estrutura afirma que «é certo que este acordo representa um compromisso entre as partes», não fazendo a «total justiça» após tantos anos, mas reitera que a «conquista é real, fará diferença na vida dos trabalhadores».

Além disso, demonstrará que o sector «não pode viver num mundo à parte das regras laborais do País, nem pode continuar a suportar a sua actividade em baixos salários, horários desregulados e taxas altíssimas de precariedade».

«A luta dos trabalhadores do Grupo Plural demonstra que com união, solidariedade, persistência e força é possível atingir objectivos que parecem inalcançáveis», salienta o CENA-STE, que aponta como nova etapa prosseguir a luta, tanto na Plural como nas restantes empresas, com o «objectivo final de alcançar regulamentação para todo o sector». 

Tópico