|Hotelaria e turismo

Fundação Inatel obrigada a reintegrar trabalhadora despedida em Albufeira

Na sequência de uma decisão judicial favorável, a trabalhadora retomou esta segunda-feira as funções de recepcionista no Inatel Albufeira, de onde fora despedida em 2020.

A trabalhadora reintegrada, esta segunda-feira, no Inatel Albufeira, acompanhada por um delegado do Sindicato da Hotelaria do Algarve 
A trabalhadora reintegrada, esta segunda-feira, no Inatel Albufeira, acompanhada por um delegado do Sindicato da Hotelaria do Algarve Créditos / Sindicato da Hotelaria do Algarve

A reintegração ocorreu depois de o Tribunal da Relação de Évora assim o ter decretado, no passado dia 24 de Março, revela numa nota o Sindicato da Hotelaria do Algarve (CGTP-IN).

A direcção do sindicato, que «acompanhou a situação desde o início e prestou o respectivo apoio jurídico», felicita a trabalhadora pela «coragem e determinação na luta contra o seu despedimento», considerado «ilícito».

Trata-se de «mais um exemplo» demonstrativo da «justeza» da luta, afirma o Sindicato da Hotelaria do Algarve, que se congratula com o desfecho de um processo em que a trabalhadora não se conformou com o despedimento «injusto e ilegal» levado a efeito pela Fundação Inatel.

Neste sentido, a organização sindical apela à organização dos restantes trabalhadores da Fundação, bem como dos sectores do alojamento, restauração e similares – «porque, unidos, os trabalhadores têm força suficiente para melhorar as suas condições de trabalho e de vida», afirma.

A sindicalização, organização e unidade no local de trabalho são um passo prévio ao reforço da exigência de uma vida digna para todos, defende o sindicato, reafirmando o compromisso de luta pela melhoria das condições de vida dos trabalhadores do sector da hotelaria, turismo e restauração do Algarve.

Tópico