|ADSE

Frente Comum avança com abaixo-assinado pela redução das contribuições para a ADSE

Os trabalhadores e aposentados da Administração Pública devem passar a fazer um desconto mensal que incida nos 12 meses, e não nos actuais 14, defende a Federação dos Sindicatos da Função Pública.

Segundo a Frente Comum e a lista G, a eleição para o Conselho Geral e de Supervisão da ADSE decorreu com vários problemas
Créditos / ADSE

No final do ano de 2020, a ADSE já tinha acumulado cerca de 800 milhões de euros, «investidos em Títulos do Estado e em depósitos à ordem». Todo este dinheiro, que os beneficiários entregaram à ADSE, não pode «servir apenas para engrossar os lucros dos privados da saúde e as receitas no Orçamento do Estado», afirma o comunicado da Frente Comum/CGTP-IN, enviado ao AbrilAbril.

«Os trabalhadores e aposentados da Administração Pública descontam, 14 meses por ano, 3,5% dos seus salários e pensões, incluindo os subsídios de férias e de Natal». A receita dos descontos representam valores que garantem, hoje, a total sustentabilidade da ADSE, assim como permitem a redução das contribuições dos beneficiários.

Não só é possível, como absolutamente «necessário e justificável» que se avance para uma revisão do valor do desconto mensal e da sua aplicação somente a 12 meses no ano, «diminuindo os encargos dos trabalhadores e aposentados beneficiários da ADSE», defende a Frente Comum.

Certo é que a saúde financeira da ADSE contrasta com a «situação da generalidade dos salários e das pensões, que não sofreram actualização nos últimos anos, com excepção para os escalões de rendimento mais baixos».

Tópico