|grande distribuição

Forte adesão à greve nacional no grupo Dia

Os trabalhadores do grupo Dia, detentor dos supermercados Minipreço e lojas Clarel, estiveram em greve no último dia do ano, por aumentos salariais, horários dignos e o fim da chantagem nas negociações.

Piquete de greve nos armazéns em Valongo, Porto
Piquete de greve nos armazéns em Valongo, PortoCréditos / CESP

A greve nacional de 24 horas foi convocada pelo Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP/CGTP-IN), que, em nota de imprensa, destaca a «grande adesão» registada.

Segundo o CESP, durante a greve muitas lojas estiveram «encerradas e com horários de funcionamento reduzidos por não terem trabalhadores suficientes para assegurar o funcionamento todo o dia». O funcionamento nos armazéns também esteve condicionado face à «grande adesão».

Todavia, o sindicato denuncia que, no Porto, o piquete de greve no armazém de Valongo foi alvo de força policial, após este ter obtido a solidariedade dos motoristas dos camiões que chegavam.

 

«A empresa, demostrando que lida mal com o direito à greve dos trabalhadores, chamou a GNR, que, com grande agressividade e violência, empurrou os trabalhadores em piquete para deixar passar os camiões para o recinto do armazém», afirma.

 

Entre as reivindicações, os trabalhadores exigem aumentos salariais para todos, num mínimo de 40 euros, a progressão automática dos operadores de armazém até ao nível de especializado, o fim da discriminação salarial na empresa, bem como da tabela B, que prevê menos 40 euros de salário em todos os distritos, excepto Lisboa, Porto e Setúbal.

 

Outras reivindicações passam por horários que permitam a conciliação da vida profissional com a pessoal e familiar, o fim da pressão e repressão nos locais de trabalho, bem como dos ritmos desumanos e melhores condições de saúde, higiene e segurança nos locais de trabalho.

 

O CESP acusa a Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED), representante patronal do sector, de estar a bloquear as negociações desde Setembro de 2016. A troco de um baixo aumento dos salários, equivalente a 11 cêntimos por dia, os patrões exigem a redução do valor pago pelo trabalho suplementar e a aceitação do banco de horas.

 

Tópico