|despedimento colectivo

Eurest avança para despedimento colectivo

A empresa, com muitos milhões de lucros e um volume de negócios superior a 100 milhões de euros, informou o sindicato que pretende despedir 122 trabalhadores.

Créditos / fesaht

A Eurest, pertencente ao grupo inglês Compass, que opera em Portugal desde 1974 explorando cantinas, refeitórios, bares, áreas de serviço e cafetarias, informou os sindicatos que é sua intenção proceder ao despedimento colectivo de 122 trabalhadores.

Contestando esta decisão, a Federação dos Sindicatos de Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal (Fesaht/CGTP-IN) lembra que a empresa tem um volume de negócios superior a 100 milhões de euros, «dá milhões de lucros» todos os anos e continua a receber apoios do Estado neste período de pandemia.

«Não há nenhum motivo para a empresa recorrer ao despedimento colectivo e os motivos alegados pela empresa não são verdadeiros», afirma a estrutura sindical.

A empresa justifica o despedimento com o término dos contratos de concessão mas, segundo a federação, para não ficar com os trabalhadores bastava não concorrer a novas concessões e os contratos seriam transferidos para a nova concessionária.

Por outro lado, a Eurest diz ter demasiados trabalhadores em algumas unidades mas a Fesaht afirma que a realidade mostra o contrário: «Tem trabalhadores a menos face à crise sanitária e às tarefas acrescidas de higienização e desinfecção.»

A federação lembra ainda que esta empresa, que agora pretende despedir, acaba de contratar centenas de trabalhadores através de empresas de trabalho temporário para as cantinas escolares.

Assim, os trabalhadores estarão em greve no próximo dia 5 de Novembro e farão uma concentração de protesto, nessa manhã, frente à sede da Eurest, em Alfragide (Amadora).

Empresas barram entrada a dirigentes sindicais

Esta quinta-feira, quando o dirigente sindical se apresentou à porta da Efacec, na Maia, para realizar um plenário com os trabalhadores desta cantina, foi impedido de entrar nas instalações, alegadamente por instruções da Eurest, denunciou a Fesaht.

Lembrando que o direito à actividade sindical no interior das empresas é garantido pela Constituição, a federação referiu que as duas empresas «não tiveram êxito na sua decisão conjunta ilegal», pois os trabalhadores, face à proibição de entrada do dirigente sindical, dirigiram-se à rede de vedação da fábrica e, ali mesmo, tiraram as suas dúvidas sobre o processo de que estão a ser vítimas e elegeram um delegado sindical para os representar.

Tópico