|estivadores

Estivadores marcam greve para 27 de Julho

A greve de 24 horas dos estivadores, contra o crescente clima «intimidatório e de repressão», abrangerá os portos de Lisboa, Setúbal, Sines, Figueira da Foz, Leixões, Caniçal, Ponta Delgada e Praia da Vitória.

Créditos / RadioNova

A greve convocada pelo Sindicato Nacional dos Estivadores (SEAL) arrancará às 8h de 27 de Julho, até à mesma do dia seguinte, em resposta à «crescente proliferação de práticas anti-sindicais nos diversos portos portugueses».

Em comunicado, o SEAL acusa as empresas portuárias dos portos abrangidos pela greve de comportamentos que configuram diferentes tipos de «assédio moral, desde perseguição a coacção, desde suborno à discriminação, desde as ameaças de despedimento à chantagem salarial», dos quais destaca «situações de extrema gravidade no porto de Leixões e do​​ Caniçal».

O sindicato frisa que foi o clima «intimidatório e de repressão» que o levou a elevar «os níveis de denúncia e contestação», a repudiar aquelas práticas e a promover, através da greve, uma manifestação de solidariedade para com os companheiros «perseguidos».

«Destes comportamentos ilegítimos por parte das empresas, (...), em detrimento da qualidade e produtividade dos serviços prestados nos portos, resulta uma maior precarização da mão-de-obra portuária, com todos os aspectos negativos a ela associados, como seja a ausência de formação profissional adequada e, consequentemente, o brutal aumento dos níveis de sinistralidade verificados», denuncia o SEAL.

No pré-aviso é explicado que «a greve envolverá todos os trabalhadores portuários efectivos  e também aqueles que possuam vínculo contratual de trabalho portuário de duração limitada (…) compreendendo-se ainda no âmbito da greve as empresas titulares de direitos de uso privativo na respectiva área portuária».

Greve em Lisboa cancelada após acordo salarial

Há pouco mais de uma semana, a 3 de Julho, os estivadores do Porto de Lisboa cancelaram três semanas de greve ao trabalho suplementar, agendada para a passada segunda-feira, depois de terem aprovado, em plenário, o pré-acordo de actualização salarial, a primeira desde 2010.

O acordo actualiza todas as cláusulas pecuniárias em 4%, com retroactividade a 1 de Janeiro de 2018, e uma actualização  adicional de 1,5% a partir de Janeiro de 2019.

Nesse plenário ficou ainda acordado «o reconhecimento pelas empresas das posições do sindicato quanto às irregularidades verificadas aos trabalhadores pela sua presença em plenários», bem como na recusa, por parte de algumas empresas, na filiação de trabalhadores das áreas técnicas portuárias e ainda o «reconhecimento da necessidade de participação do SEAL na regulação das actividades portuárias de planeamento de navios de parques de contentores».


Com agência Lusa

Tópico