|estivadores

Trabalhadores portuários cumprem greve ao trabalho suplementar

Os trabalhadores portuários iniciam esta segunda-feira uma greve de quatro semanas ao trabalho suplementar, até 10 de Setembro, contra a repressão e a «proliferação de práticas anti-sindicais».

Estivadores denunciam existência de práticas anti-sindicais que ocorrem nos portos
Estivadores denunciam existência de práticas anti-sindicais que ocorrem nos portosCréditosTiago Petinga / Agência LUSA

Em causa está a «crescente proliferação de práticas anti-sindicais nos diversos portos portugueses, revestindo-se estas de extrema gravidade no porto de Leixões, permanecendo ainda graves no porto do Caniçal (Madeira)», afirma o Sindicato dos Estivadores e da Actividade Logística (SEAL).

O presidente do SEAL, António Mariano, afirmou à Lusa ser «difícil» estimar o impacto da greve, uma vez que o pré-aviso é de âmbito nacional, abrangendo «todos os trabalhadores nos oito portos, sejam sindicalizados ou não, inclusive aqueles com vínculos precários.

O sindicato acusa as empresas portuárias de «comportamentos criminosos», afirmando que há «assédio moral, desde a perseguição à coação, desde o suborno à discriminação», ou «ameaças de despedimento» e «chantagem salarial», com o objectivo de «colocar os trabalhadores uns contra os outros» e também «evitar que os mesmos procedam à sindicalização de forma livre e consciente».

Este conjunto de práticas levou a um manifesto emitido há mais de um ano, com o levantamento de situações concretas, «do qual foi dado conhecimento às tutelas do sector portuário e do Trabalho», mas «estas criminosas situações continuam impunes», reitera o SEAL.

De acordo com o pré-aviso, a greve incide sobre «todo o trabalho suplementar, ou seja, sobre todo o trabalho que ultrapasse o turno normal de trabalho ou um turno de trabalho diário, em dias úteis, e sobre todo o trabalho em sábados, domingos e feriados».

A paralisação abrange os portos de Leixões, Figueira da Foz, Lisboa, Setúbal, Sines, Caniçal, Praia da Vitória e Ponta Delgada.

Com agência Lusa

Tópico