|negociação colectiva

EDP: sindicatos não dão negociação por concluída

Há mais negociação da tabela salarial, para lá do acto de gestão anunciado no dia 4 pela administração, afirma a comissão negociadora sindical da Fiequimetal.

Protesto dos trabalhadores da EDP junto à sede nacional, em Lisboa, 24 de Abril de 2019
CréditosANTÓNIO COTRIM / LUSA

Em comunicado, a Federação Intersindical das Indústrias Metalúrgicas, Químicas e Elétricas (Fiequimetal/CGTP-IN) afirma ter apresentado propostas à administração «que devem ser negociadas».

Na proposta sindical global reivindica-se o aumento de 60 euros para cada trabalhador na tabela salarial, a melhoria no subsídio de disponibilidade, sem obrigatoriedade de permanência e ajudas de custo de valor igual para todos os trabalhadores.

Pretende-se também reduzir o tempo para progressão na carreira, permitindo que os trabalhadores possam chegar ao topo da carreira antes de irem para a reforma.

No documento, exige-se ainda que seja clarificada a avaliação de desempenho, bem como a sua implicação nas progressões na carreira.

Os trabalhadores têm desenvolvido várias acções de luta contra as propostas de aumentos salariais da administração, que consideram «uma miséria». «Durante seis reuniões [a empresa] andou a dizer que não pretendia aumentar salários, depois lá foi, timidamente, alterando e, neste momento, está com 0,5 [%], que é uma miséria para uma empresa que teve 801 milhões de euros de lucro», dizia em Abril, Joaquim Gervásio, representante da Fiequimetal responsável pelas negociações com a EDP.

Tópico