|EDP

E-Redes: trabalhadores querem «justiça nas progressões»

Sente-se o «desagrado» dos trabalhadores que asseguram o funcionamento da rede de distribuição de electricidade em Portugal. Muitos sentem «dificuldades no seu relacionamento com» a administração do Grupo EDP.

Em 2021, a EDP Distribuição, responsável pela rede de distribuição de electricidade em Portugal, passou a denominar-se E-Redes, pelo «dinamismo» da letra E «no meio digital».
Em 2021, a EDP Distribuição, responsável pela rede de distribuição de electricidade em Portugal, passou a denominar-se E-Redes, pelo «dinamismo» da letra E «no meio digital».Créditos

Há trabalhadores a entrar nos quadros da E-Redes, vindos de empresas prestadoras de serviços e que, pela sua experiência técnica (de construção de redes), «ficam qualificados de imediato nas bases remuneratórias (BR) 4 e 5, «ultrapassando outros que têm mais tempo nos quadros, com anos de provas dadas (desde a parte técnica à gestão de obras, actividades administrativas, contacto com entidades, etc.)», refere a Federação Intersindical das Indústrias Metalúrgicas, Químicas, Eléctricas, Farmacêutica, Celulose, Papel, Gráfica, Imprensa, Energia e Minas (Fiequimetal/CGTP-IN).

Esta situação veio agravar «o clima de desagrado latente» entre os trabalhadores, que não entendem as lógicas estabelecidas pelo Grupo EDP para a E-Redes (antiga EDP Distribuição). Ao longo dos anos, «muitos trabalhadores têm sentido dificuldades no seu relacionamento com a empresa», nomeadamente no que «à progressão na carreira» diz respeito.

Os trabalhadores que asseguram o funcionamento da rede de distribuição de electricidade no País exigem, «com caráter de urgência», para entrar em vigor a Janeiro de 2024,  a progressão de duas BR para trabalhadores do Acordo Colectivo de Trabalho (ACT) de 2014 (com excepção de contratações com BR superiores) «e sem perda de pontos acumulados para futura evolução» e a progressão de uma BR para trabalhadores do ACT de 2000, sem perda de pontos.

Os trabalhadores e a federação sindical querem ainda a atribuição de «anuidades a todos os trabalhadores do ACT 2014, com contagem do tempo desde a admissão no Grupo EDP», sem efeitos retroactivos. Estas propostas, explica a Fiequimetal, vão de encontro às «expectativas de todo o pessoal das restantes empresas» do Grupo EDP.

Tópico

Contribui para uma boa ideia

Desde há vários anos, o AbrilAbril assume diariamente o seu compromisso com a verdade, a justiça social, a solidariedade e a paz.

O teu contributo vem reforçar o nosso projecto e consolidar a nossa presença.

Contribui aqui