|CP

CP termina contrato nos bares e empurra trabalhadores para o desemprego

A denúncia do contrato, sem que haja um novo concurso público, põe em causa o futuro dos 20 postos de trabalho afectos ao serviço de refeições dos comboios.

Na foto, o novo Alfa Pendular, apresentado na estação de Santa Apolónia, em Lisboa. 24 de Março de 2017
CréditosMário Cruz / Agência Lusa

O alerta é dado pela Federação dos Sindicatos de Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal (Fesaht/CGTP-IN), depois de uma reunião no Ministério do Trabalho com a CP e a Serviral, que explora os comboios internacionais que fazem os percursos Lisboa-Madrid e Lisboa-Hendaye.

Nesta reunião, a CP informou que denunciou o contrato de prestação do serviço de refeições e alojamento que mantinha com a Servirail há vários anos. Sem que haja um novo concurso público, o fim da concessão põe em causa o futuro dos 20 postos de trabalho afectos a este serviço, refere a federação sindical em nota.

Recorde-se que estes trabalhadores estão sem trabalhar desde o dia 17 de Março, estiveram em lay-off até 31 de Julho, foram penalizados nos seus salários, e querem ocupar os seus postos de trabalho e desenvolver a sua actividade profissional, sendo que alguns trabalham neste serviço há mais de 30 anos e, agora, foram confrontados novamente com um regime de lay-off.

Confirmando a recepção da denúncia do contrato, a Servirail declarou que está a pensar iniciar dentro de dias um processo de despedimento colectivo, pelo que, para a estrutura sindical, está em causa a «responsabilidade social» da CP na ponderação desta decisão.

A Fesaht lembra também que a posição da CP é tomada em vésperas da cimeira ibérica prevista para dia 6 de Outubro, na Guarda, onde se vão discutir as relações entre os dois países e o reforço da ferrovia.

Tópico