|transporte de mercadorias

ACT não pode «ouvir só os patrões»

A Fectrans considera que deve ser melhorada a intervenção da ACT na fiscalização do sector rodoviário de mercadorias para que seja credibilizada a negociação colectiva.

Isabel Camarinha, secretária-geral da CGTP-IN, contacta com trabalhadores da Sonae e Dhl, numa acção conjunta do CESP e do STRUP na plataforma logística da Azambuja, 15 de Setembro de 2020.
Isabel Camarinha, secretária-geral da CGTP-IN, contacta com trabalhadores da Sonae e Dhl, numa acção conjunta do CESP e do STRUP na plataforma logística da Azambuja, 15 de Setembro de 2020. Créditos / CESP

Segundo nota divulgada pela Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans/CGTP-IN), na reunião desta terça-feira foi reiterada a necessidade de intervenção para «penalizar as empresas que exageram no número de horas extraordinárias» realizadas ao abrigo da cláusula 61.ª do Contrato Colectivo de Trabalho Vertical (CCTV) em vigor e combater «as situações de cargas e descargas efectuadas pelos motoristas», contrariando o CCTV no que se refere às suas funções.

Considerando que é necessário «credibilizar» a negociação colectiva, a federação sindical afirma que o Estado tem que intervir através das entidades inspectivas com «regularidade e eficácia».

«Demonstrámos que algumas intervenções efectuadas não são eficazes, já que os inspectores ouvem os patrões e concluem que não há irregularidades», alerta também a Fectrans, acrescentando que «é preciso ouvir os trabalhadores».

Trabalhadores da logística organizam-se

Também esta terça-feira o Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Rodoviários e Urbanos (STRUP/CGTP-IN) e a Fectrans organizaram uma acção de contacto com os trabalhadores no Centro de Logística da Azambuja, onde se discutiu com os motoristas as questões e problemas que se colocam na sua actividade.

A acção terminou com um plenário dos trabalhadores daquele centro, promovido juntamente com o Sindicato do Comércio, Escritórios e Serviços (CESP/CGTP-IN), que contou com a presença da secretária-geral da Intersindical, Isabel Camarinha.

Tópico