|Saúde

SNS exige medidas concretas e Governo não pode ceder à chantagem dos privados

Na interpelação ao Governo sobre Saúde, esta tarde, o PCP sublinhou a ofensiva em curso contra o SNS e a chantagem dos privados sobre a ADSE, à qual o Governo «não pode ceder». 

Carla Cruz
Carla CruzCréditosTiago Petinga / Agência LUSA

Na abertura da interpelação ao Governo, requerida pelo PCP, a deputada Carla Cruz realçou que só o Serviço Nacional de Saúde (SNS) atende todos por igual e é a única garantia do cumprimento do direito universal à Saúde.

Porém, frisou, «é preciso que se cumpram as medidas do PCP, aprovadas na Assembleia da República» para reforço do serviço público, que «precisa de uma resposta efectiva» a nível da modernização, infra-estruturas e equipamentos. 

O aumento do investimento público, afectando verbas do Orçamento do Estado e dos fundos europeus, e o aumento dos profissionais de Saúde, foram duas das soluções avançadas por Carla Cruz para uma resposta determinada aos problemas do SNS.

«O combate às listas de espera faz-se através da contratação de profissionais de saúde, com a abertura de vagas nos concursos para os hospitais que necessitam desses profissionais», disse, salientando que as listas de espera para consultas e cirurgias são um «obstáculo» aos cuidados de saúde, como o são as taxas moderadoras e os critérios de atribuição de transporte não urgente de doentes.

«Estes obstáculos só persistem porque, mais uma vez, PSD e CDS-PP deram ao PS e ao Governo o apoio que era preciso para chumbar as propostas que o PCP apresentou para remover tais obstáculos», assinalou. Por isso, «é preciso romper com a política de direita e com a ideologia do negócio da doença», salientou Carla Cruz.

A chantagem dos privados

A deputada comunista denunciou a «ofensiva» dos grupos económicos que pretendem «aprofundar a privatização» da Saúde. «A resposta que é necessária dar por parte do Governo para responder a tão poderosa e intensiva ofensiva é não ceder à chantagem e reforçar o SNS», frisou.

Considerando que «esta operação de chantagem deixa claro que não é o direito à saúde que move os grupos privados, mas sim transformar a doença em lucro», Carla Cruz realçou que os «grupos económicos e os seus representantes políticos pretendem aprofundar a privatização da Saúde com o apoio financeiro do Estado e a promiscuidade entre sector público e sector privado».

Neste quadro, salientou Carla Cruz, «insere-se a operação de chantagem sobre a ADSE», depois de os privados terem cobrado ilicitamente 38 milhões de euros, nos anos de 2015 e 2016. 

O País ou a submissão à UE

Os comunistas reconhecem e valorizam os avanços concretizados ao longo da actual legislatura, designadamente a reposição de rendimentos e salários, e as 35 horas, medidas que, realçou Carla Cruz, «têm a marca» do PCP e da luta dos trabalhadores. 

Não se foi mais longe, disse a deputada, «pelas opções do Governo do PS» e a submissão aos ditames da União Europeia (UE). Neste sentido, denunciou, «persistem problemas nas progressões, não há efectiva valorização e dignificação das carreiras entretanto criadas, designadamente dos técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica, transformaram-se hospitais em empresas e puseram empresas a gerir unidades hospitalares».

Tópico