|agricultores

Produtores de leite denunciam o fim de 200 vacarias

Os 200 pares de botas colocados na Avenida dos Aliados, Porto, correspondem ao mesmo número de vacarias encerradas, num protesto organizado pela Associação dos Produtores de Leite de Portugal (APROLEP).

Manifestação foi convocada por várias associações e cooperativas agrícolas, para demonstrar «a revolta dos produtores face a mais uma descida do preço do leite»
foto de arquivo CréditosJosé Coelho / Agência Lusa

A iniciativa realizou-se esta sexta-feira, com o objectivo de alertar para as consequências da crise vivida pelo sector. Uma acção de luta simbólica, que levou à colocação, em frente à Câmara Municipal do Porto, de um par de botas por cada vacaria encerrada durante o último ano.

O protesto teve como principal objectivo «alertar o Governo e os vários partidos para a necessidade de aplicar no terreno a nova Política Agrícola Comum (PAC), permitindo a sobrevivência imediata dos agricultores», ao mesmo tempo que pretende «desafiar, mais uma vez, a indústria e a distribuição a dialogarem para colocar o preço do leite ao produtor em níveis sustentáveis», lê-se em comunicado da APROLEP.

Os produtores de leite exigem ao Ministério da Agricultura que defenda efectivamente o sector. Marisa Costa, vice-presidente da associação, alertou para o risco de, em 2021, virem a fechar «mais 200 ou 300 [vacarias]» e rejeitou a ideia da tutela de que os agricultores querem viver à custa de apoios: «qualquer produtor de leite abdica dos apoios desde que seja pago "um preço justo"», afirmou à Lusa.

No sector leiteiro «restam apenas quatro mil agricultores» e «os que resistem, ou sobrevivem, estão cansados, revoltados e muito preocupados com o futuro», declarou, sublinhando que, em Dezembro passado, «o preço médio ao produtor foi 30,4 cêntimos por quilo, um dos mais baixos da Europa».

Persiste a prática de pagar aos produtores preços «abaixo dos custos de produção», o que é uma das principais lutas desde o surgimento, há 11 anos, da APROLEP, que exige «um preço justo».

Com agência Lusa

Tópico