|Metro de Lisboa

Utentes exigem manutenção da linha amarela

Moradores de Carnide, Lumiar, Odivelas e Loures promovem uma acção de luta na Estação de Metro do Campo Grande, a partir das 16h, contra o projecto de linha circular que «mata» a linha amarela. 

CréditosTiago Petinga / Agência Lusa

Em declarações ao AbrilAbril, Fábio Sousa, presidente da Junta de Freguesia de Carnide, que também estará presente na concentração desta tarde, valoriza a ampla mobilização das populações, designadamente em Telheiras, que ficaria «completamente isolada» com a alteração projectada pelo Governo do PS, à revelia da Assembleia da República. 

Recorde-se que, no passado dia 17 de Julho, e na sequência de várias acções de luta dos utentes do metropolitano, o Parlamento (à excepção do PS, que se absteve) votou a favor da suspensão da linha circular e defendeu um «efectivo investimento» no Metro de Lisboa, designadamente a realização de um estudo referente à expansão prioritária para Loures.  

«A linha circular não nos faz sentido, como não faz sentido a muita gente», atira Fábio Sousa, acrescentando que o investimento numa linha circular vai hipotecar o alargamento do metro a zonas, tidas como prioritárias, como é o caso das ligações a Loures ou entre Telheiras e a Pontinha. No segundo caso, o edil dá o exemplo do anúncio da instalação da Feira Popular na freguesia de Carnide, junto ao metro da Pontinha, colocando a necessidade do aumento da oferta.

Os utentes repudiam o investimento de mais de 200 milhões de euros num projecto que, além de servir apenas fins turísticos, mexe com questões geológicas e não serve a população de Lisboa. 

Tópico