|SNS

Unidos em vigília pelo Centro Hospitalar de Setúbal

A acção terá lugar no dia 18 de Janeiro, à porta do estabelecimento hospitalar, juntando representantes dos municípios de Palmela, Sesimbra e Setúbal, e as comissões de utentes e sindicatos do sector.

CréditosInácio Rosa / Agência LUSA

A grave situação em que se encontra o Centro Hospitalar de Setúbal (CHS), do qual faz parte o Hospital de S. Bernardo, forçou a mão de vários directores clínicos e médicos desta unidade hospitalar em Outubro de 2021, que se demitiram em protesto contra a falta de condições no centro hospitalar.

A sobrecarga de trabalho e os vínculos precários continuam a ser uma realidade demasiado presente para estes trabalhadores que, sem o mínimo de condições, não conseguem suprir todas as carências num hospital que serve centenas de milhares de utentes.

Integram o CHS: o Hospital de São Bernardo, o Hospital Ortopédico do Outão e o serviço ambulatório de psiquiatria, instituições que têm vindo, «desde há muitos anos, a perder capacidade assistencial, o que coloca em sério risco o direito à saúde e a saúde da população da sua área de referência, onde, além de outros, se integram os concelhos de Setúbal, Sesimbra e Palmela», defende o Fórum Intermunicipal da Saúde, no apelo que faz à participação na iniciativa.

Após as eleiçõs autárquicas de 26 de Setembro de 2021, os municípios de Sesimbra, Palmela e Setúbal organizaram o Fórum Intermunicipal da Saúde, em cuja primeira reunião ficou decidida a realização desta vigília, com o objectivo de exigir a «reclassificação do Hospital de São Bernardo, bem como o reforço da contratação de médicos de família, enfermeiros e outros profissionais para os cuidados de saúde primários».

O documento em defesa do «reforço da capacidade assistencial do CHS, dos cuidados de saúde primários e do Serviço Nacional de Saúde», foi aprovado no dia 16 de Dezembro, no fóum que contou com a presença de representantes de comissões de utentes dos três concelhos, do director clínico demissionário do CHS, Nuno Fachada, representantes do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP/CGTP-IN) e do Sindicato dos Técnicos Superiores de Diagnóstico e Terapêutica (SINDITE/UGT) e das Ligas de Amigos do HSB e do Outão.

A acção pela valorização do Hospital de São Bernardo e do CHS está agendada para o dia 18 de Janeiro, às 18h, à porta do Hospital de São Bernardo.

Tópico