|SNS

População de Santiago do Cacém exige reabertura de extensões de saúde

São Bartolomeu da Serra, São Francisco da Serra e Deixa-o-Resto reivindicam a reabertura das extensões de saúde. População do concelho exige estar ligada por rede de transportes públicos. 

Santiago do Cacém
Santiago do CacémCréditos / CC BY-SA 3.0

São várias e transversais a outros concelhos do distrito de Setúbal as reivindicações apresentadas na reunião realizada esta quinta-feira entre a Comissão de Utentes dos Serviços Públicos do Concelho de Santiago do Cacém, eleitos das autarquias locais e profissionais de saúde, e da qual resultou a marcação de um protesto no dia 21 de Maio, junto à Câmara Municipal.

Num comunicado enviado às redacções, a Comissão de Utentes elenca as exigências manifestadas, nomeadamente a reabertura das extensões de saúde das freguesias de São Bartolomeu da Serra e São Francisco da Serra, e de Deixa-o-Resto, na freguesia de Vila Nova de Santo André. E critica o encerramento da Unidade de Convalescença «sem existir uma alternativa». 

Os utentes criticam a falta de 100 enfermeiros, entre outros profissionais, na Unidade Local de Saúde no Litoral Alentejano, e consideram «intolerável» que não exista uma política de incentivos para fixar trabalhadores naquele território, nomeadamente médicos, enfermeiros e técnicos de diagnóstico.

A realização de consultas e cirurgias no Hospital do Litoral Alentejano aos fins-de-semana e feriados é outra das propostas dos utentes com vista a reduzir os tempos máximos de resposta garantidos, a que se junta, entre outras, a existência de médico pediatra no serviço de urgência do hospital, disponível 24 horas.

Questões como o fim das taxas moderadoras e do processo de municipalização dos serviços públicos foram também colocadas como necessárias pelos autarcas, profissionais de saúde e utentes, que reclamam ainda uma rede de transportes públicos capaz de ligar todo o concelho de Santiago do Cacém, sem a obrigatoriedade de passar pela sede do mesmo. 

Tópico