|Porto

Casa onde nasceu Almeida Garrett na turbina da especulação imobiliária

A casa onde nasceu o escritor, avaliada em 1,5 milhões de euros, ia albergar o Museu do Liberalismo. Agora o proprietário pede mais de 4 milhões e a Câmara do Porto desiste da compra. 

Fachada do edifício onde nasceu o escritor português Almeida Garrett, antes do incêndio
Fachada do edifício onde nasceu o escritor português Almeida Garrett, antes do incêndio Créditos / porto.pt

A Câmara Municipal do Porto não vai avançar com a compra da casa onde nasceu Almeida Garrett e outros dois edifícios confinantes, por proposta da CDU, devido ao preço exigido pelo proprietário. 

Na avaliação realizada pela autarquia, o preço dos três imóveis foi calculado em 1,5 milhões de euros, o valor entretanto reclamado pelo proprietário ascende a quatro milhões. Por isso, e apesar do direito de preferência, a Câmara Municipal do Porto anunciou que não será possível avançar com a aquisição. 

A vereadora da CDU, Ilda Figueiredo, diz que a proposta do dono é «inadmissível», pelo valor exigido e pela falta de sensibilidade para a defesa do património, e assume que, pelas enormes carências da cidade, o Município não possa investir mais de quatro milhões em paredes e algum terreno, lamentando ainda que a casa não tenha sido comprada há mais tempo. 

Recorde-se que o imóvel no centro histórico da Invicta, onde Almeida Garrett viveu até aos cinco anos de idade, ardeu em Abril, na semana em que a autarquia apresentou a proposta de compra, conforme recomendação da CDU.

«Tendo sido o Porto o berço da Revolução Liberal de 1820, de que se irão comemorar os 200 anos no próximo ano, é importante que, desde já, se procure adquirir a casa onde nasceu um dos maiores vultos do liberalismo e do romantismo, Almeida Garrett, visando instalar aí o que pode vir a ser um polo do museu do liberalismo», lê-se na proposta aprovada por unanimidade a 26 de Março. 

Entretanto, e por recear que se transforme em hotel, Ilda Figueiredo admite que a Câmara Municipal do Porto deverá impor condições tendo em conta que o edifício, tal como a zona em que está inserido, tem interesse histórico a preservar. 

Tópico