|direito à greve

Câmara de Moura diz a trabalhadores que devem tirar férias para ir à manifestação

A CDU acusa a autarquia de «limitar o direito à greve», uma vez que pediu aos trabalhadores para avisarem e tirarem o dia se quisessem participar na manifestação nacional de sexta-feira.

Em declarações ao AbrilAbril, André Linhas Roxas, vereador da CDU na Câmara de Moura (distrito de Beja), disse que foi afixada, nos serviços operacionais, uma «informação» do executivo PS que «procura coagir os trabalhadores, obrigando-os a abdicar de um dia de férias para participarem na manifestação».

Num esclarecimento enviado à Lusa, a Câmara refere que apenas «tinha sido efectuada uma informação» aos trabalhadores do município «sobre a intenção» do executivo «de não conceder dispensa de serviço aos trabalhadores que pretendam participar na manifestação».

Para o vereador comunista, aquilo que o Município responde «vem dar razão» à denúncia feita. «Não acrescenta nada porque a informação não pode existir. Os trabalhadores não têm que informar da sua participação na greve nem tirar um dia de férias para esse efeito», afirmou.

Considera ainda que a mudança de comportamento do executivo nesta questão, que noutras situações dispensou os trabalhadores para protestos e até usou meios próprios para a mobilização, reflecte que só nos casos em que coincide com a agenda política própria é que está interessado em defender os direitos dos trabalhadores.

Vasco Santana, dirigente sindical do STAL, disse ao AbrilAbril que «felizmente» os trabalhadores não desmobilizaram e vão participar na manifestação. «Vamos exigir o aumento dos salários num mínimo de 90 euros para todos mas também a resolução de problemas locais, como o pagamento das horas extraordinárias em dívida relativo ao período do Verão», frisou.

Tópico