|Turquia

Trabalhadores gregos saúdam resistência dos operários no aeroporto de Istambul

Trabalhadores gregos da construção civil solidarizaram-se com os operários que, em Istambul, lutam contra «condições laborais miseráveis». Nas obras do terceiro aeroporto os acidentes não param.

Centenas de pessoas foram presas na sequência dos protestos, em meados de Setembro, contra as condições de trabalho miseráveis no terceiro aeroporto de Istambul
Centenas de pessoas foram presas na sequência dos protestos, em meados de Setembro, contra as condições de trabalho miseráveis no terceiro aeroporto de IstambulCréditos / aaj.tv

Num comunicado intitulado «As ambulâncias já não usam as sirenes», a Frente Militante de Todos os Trabalhadores (PAME) e a Federação dos Trabalhadores da Construção Civil da Grécia (FTCCG) afirmam: «Os trabalhadores sabem que o novo aeroporto e o crescimento capitalista em geral, em todos os países, é construído com o sangue e o suor dos operários.»

Ambas as organizações expressam a sua solidariedade aos trabalhadores que laboram na construção do terceiro aeroporto da maior cidade turca, em «condições de trabalho deploráveis» e «resistindo à violência e à repressão do governo turco», sublinhando, no documento, que irão levar a cabo «novas iniciativas para apoiar a sua luta», segundo revela o peródico turco Sol Haber, na sua edição em inglês.

Salientando que a luta e a mobilização de massas são o caminho para garantir a segurança da vida dos operários, os trabalhadores gregos afirmam que «as greves e as paralisações já forçaram o governo turco a adiar a grande inauguração prevista para 29 de Outubro».

Para o PAME e a FTCCG, tal resulta da pressão constante dos trabalhadores contra as «condições miseráveis de trabalho».

Desde que o novo aeroporto de Istambul começou a ser construído, 35 trabalhadores morreram em acidentes de trabalho, segundo números divulgados por fontes oficiais. Os acidentes nesta obra não cessam e, «para esconder a negligência do governo, as ambulâncias no estaleiro das obras já não usam as sirenes».

De acordo com o Sol Haber, tal fica-se a dever ao receio de novos protestos por parte dos trabalhadores, depois do acidente mais recente, ocorrido no passado dia 25, e dos grandes protestos levados a cabo em meados deste mês.

No passado dia 12, na sequência de um acidente laboral em que 17 trabalhadores ficaram feridos, o novo aeroporto de Istambul foi palco de grandes mobilizações de protesto contra as condições de trabalho ali existentes e contra a repressão exercida pelo governo sobre os operários.

Os trabalhadores acusam a administração do consórcio İGA – que integra um conjunto de empresas de construção – de ser «o verdadeiro culpado» da situação, uma vez que «forçou os trabalhadores a laborar em condições desumanas».

No dia 14, o governo turco respondeu às mobilizações com a detenção de 405 trabalhadores, na sua maioria sindicalizados. No dia 19, mais 24 trabalhadores foram presos, por ordem de um tribunal.

Tópico