|Galiza

Trabalhadores da limpeza em luta por acordos dignos na Galiza

O sector das limpezas nas províncias de Pontevedra e Corunha está em luta por melhorias reais das condições de trabalho e dos salários, e esta quarta-feira mobilizou-se em Vigo, Vilagarcía e Corunha.

Manifestação dos trabalhadores da limpeza em Vigo, a 12 de Junho de 2024 Créditos / CIG

Nas mobilizações desta quarta-feira, os trabalhadores das limpezas de edifícios e espaços vincaram a defesa de acordos colectivos dignos e a luta contra as «atitudes regressivas» do patronato, tendo adiantado que a luta se irá intensificar já este Verão.

Na província de Pontevedra, as negociações para renovar o convénio do sector romperam-se em Abril deste ano, ao cabo de 16 reuniões, porque, afirma a Confederação Intersindical Galega (CIG), o patronato insistia «em aumentos salariais insuficientes», se recusava a reduzir a jornada laboral e a incluir a cláusula de revisão salarial, de modo a garantir o poder de compra.

Neste contexto, em Maio os trabalhadores decidiram dar início a mobilizações frente às sedes de várias empresas, que tiveram continuidade esta quarta-feira com uma manifestação e concentração à porta da Stellantis, em Vigo. Em Vilagarcía, houve concentrações nas imediações do Hospital Comarcal do Salnés e às portas do Município.

A CIG diz esperar que a mediação prevista para a próxima segunda-feira, dia 17, em Vigo permita avançar nas negociações, pois, de outra forma, antevê um «Outono quente», com mais mobilizações e greves.

Na Corunha, uma esfregona grande como a capacidade de luta

Mais a norte, na Corunha, os trabalhadores concentraram-se na Praça de María Pita, onde instalaram uma esfregona amarela (que já se tornou o símbolo das suas reivindicações) num formato «tão grande quanto a nossa capacidade de luta».

O protesto teve lugar tendo em vista o início da negociação do novo convénio e tendo conta que «o patronato não vai estar disposto a dar absolutamente nada», refere a CIG no seu portal.

O representante da central sindical galega na mesa de negociações, Paulo Rubido, lembrou que o sector teve de se mobilizar e apresentar uma queixa de conflito colectivo para que a associação patronal estatal aceitasse aplicar a cláusula de revisão salarial incluída no anterior acordo provincial (que caducou no final de 2023).

Mobilização do sector da limpeza na Corunha, a 12 de Junho de 2024 / CIG

Tal significou uma vitória sindical – aumento de 9,8% nas tabelas salariais, «a revisão salarial mais alta alguma vez conseguida em qualquer convénio da limpeza» –, que, segundo Rubido, se ficou a dever à acção sindical em conjunto com a acção judicial e, acima de tudo, à disponibilidade dos trabalhadores para lutar.

No entanto, alertou que o sector enfrenta uma «batalha longa e dura», depois de o patronato ter anunciado que iria bloquear a actualização do convénio por um período de três ou quatro anos, alegando que «já aumentaram os salários».

O representante sindical lembrou ainda a elevada precariedade que prevalece neste sector, no qual a grande maioria dos trabalhadores são mulheres, e avisou que, se as negociações previstas para Setembro não correrem de feição, a luta se vai intensificar.

Tópico

Contribui para uma boa ideia

Desde há vários anos, o AbrilAbril assume diariamente o seu compromisso com a verdade, a justiça social, a solidariedade e a paz.

O teu contributo vem reforçar o nosso projecto e consolidar a nossa presença.

Contribui aqui