|Síria

Novo ataque aéreo israelita contra território sírio

Trata-se do segundo ataque no espaço de uma semana. Aviões de guerra israelitas lançaram mísseis contra posições a sul da capital síria, Damasco, provocando danos materiais.

O sistema de defesa anti-aéreo sírio em acção, na madrugada desta quinta-feira, durante o ataque das forças israelitas
O sistema de defesa anti-aéreo sírio em acção, na madrugada desta quinta-feira, durante o ataque das forças israelitasCréditos / voanews.com

«Às 23h50 de 24 de Novembro, aviões do inimigo sionista lançaram, a partir dos Montes Golã ocupados, vários mísseis contra o Monte al-Manee, a sul de Damasco, e as perdas foram apenas materiais», informou o Ministério da Defesa em comunicado de imprensa.

Há uma semana, na madrugada de dia 18, três militares sírios perderam a vida e um quarto ficou ferido na sequência de outro ataque israelita contra posições militares no Sul do país, nos arredores de Damasco.

Desde o início da guerra de agressão à Síria, em 2011, Israel atacou com frequência o território do país árabe para apoiar os grupos terroristas, debilitar as posições do Exército sírio e deter a luta antiterrorista e anti-imperialista que ali se trava.

Israel raramente assume a autoria dos ataques na Síria, e, quando o fez, o pretexto foi quase sempre o de atingir alvos do Irão ou do Hezbollah, que tiveram um papel fundamental na luta contra os grupos terroristas apoiados por potências ocidentais e regionais.

Em Setembro de 2018, numa declaração pouco habitual, os militares israelitas admitiram ter realizado mais de 200 ataques na Síria nos 18 meses anteriores. Alegaram ter destruído «centenas de alvos iranianos».

Ao longo da guerra, Damasco reiterou as acusações de violação da sua soberania e do direito internacional por parte do «inimigo sionista», e foi apresentando provas da ajuda militar, médica e logística que Israel prestou aos grupos terroristas.

Tópico