|Palestina

No centenário da Declaração Balfour, «justiça para a Palestina»

No dia 2 de Novembro, que marca o centésimo aniversário da Declaração Balfour, o MPPM procede à apresentação pública do manifesto «Justiça para a Palestina». É às 18h30, na Fundação José Saramago, em Lisboa.

Com a formação do Estado de Israel, centenas de milhares de palestinianos foram expulsos das suas casas e terras
Com a formação do Estado de Israel, centenas de milhares de palestinianos foram expulsos das suas casas e terrasCréditos / thecentrestar.com

O Movimento pelos Direitos do Povo Palestino e pela Paz no Médio Oriente (MPPM) sublinha numa nota que 2017 «marca os 100 anos da Declaração Balfour (1917), os 70 anos do plano de partição da Palestina (1947) e os 50 anos do início da ocupação por Israel (1967) da Margem Ocidental, de Jerusalém Oriental e da Faixa de Gaza».

A organização solidária lembra que, hoje, «permanece por cumprir a resolução 181 da ONU [Organização das Nações Unidas] que previa a criação de um Estado palestino», prolongando-se, deste modo, «um drama político e humanitário com um longo cortejo de vítimas que constitui, ao mesmo tempo, uma ameaça à paz e à segurança mundial».

Neste contexto, uma centena de figuras da vida pública portuguesa decidiram «subscrever o manifesto "Justiça para a Palestina", reclamando que seja saldada esta dívida histórica para com o povo palestino», revela o MPPM, acrescentando que a apresentação do documento terá lugar na próxima quinta-feira, às 18h30, na Casa dos Bicos (Lisboa).

Declaração Balfour

De acordo com a Declaração Balfour, proferida a 2 de Novembro de 1917, o governo britânico prometia à Federação Sionista favorecer, na Palestina – então sob domínio otomano e maioritariamente habitada por árabes –, a constituição de um «lar nacional para o povo judaico».

A promessa, feita inteiramente à revelia do povo palestiniano, foi incluída numa carta enviada pelo Secretário britânico dos Negócios Estrangeiros, Arthur Balfour, a Walter Rothschild, líder da comunidade judaica no Reino Unido, devendo ser entregue à Federação Sionista da Grã-Bretanha e da Irlanda.

O texto tornou-se público uma semana depois, a 9 de Novembro de 1917, e veio a revelar-se funesto para o povo palestiniano, na medida em que o apoio britânico ao sionismo e a repressão sobre a resistência palestiniana abriram caminho à formação do Estado de Israel, em 1948, acompanhada por uma enorme violência e pela expulsão de centenas de milhares de palestinianos das suas terras. A declaração é, assim, encarada como um dos elementos fundadores do conflito israelo-palestiniano na actualidade.

Tópico

Contribui para uma boa ideia

Desde há vários anos, o AbrilAbril assume diariamente o seu compromisso com a verdade, a justiça social, a solidariedade e a paz.

O teu contributo vem reforçar o nosso projecto e consolidar a nossa presença.

Contribui aqui