|Turquia

Músicos turcos enfrentam grandes dificuldades mas não estão sozinhos

Com a pandemia, agravaram-se as más condições laborais, a insegurança, o trabalho não declarado. O Sindicato da Unidade da Turquia pede aos trabalhadores da Música que se unam para combater este cenário.

Os trabalhadores da Cultura na Turquia, e os músicos em particular, viram bastante agravada a situação de insegurança laboral com a pandemia
Os trabalhadores da Cultura na Turquia, e os músicos em particular, viram bastante agravada a situação de insegurança laboral com a pandemia Créditos / duvarenglish.com

O Sindicato da Unidade (Birlik Sendikası; que nasceu em Outubro passado, ligado ao TKP) lançou um apelo aos trabalhadores da área da Música para que se unam contra «a insegurança, o trabalho não declarado, a desorganização e as más condições condições de trabalho» no sector.

Numa nota emitida na passada terça-feira, a estrutura sindical afirma que os músicos, que até hoje tinham sido obrigados a trabalhar «por fora», sem seguro e segurança, «estão agora condenados a uma grande incerteza, à fome e à solidão», sublinhando que a «pandemia trouxe à tona a gravidade» dos problemas destes trabalhadores e «como eles se agravaram ao longo dos anos».

Devido à precariedade geral do sector, os músicos não recebem subsídios e apoios garantidos a outros trabalhadores, afirma a estrutura sindical, destacando que «a possibilidade de não terem acesso a cuidados médicos, por falta de seguro, preocupa mais os trabalhadores desta indústria que a doença em si», lê-se no portal news.sol.org.tr.

«Vocês foram ao longo dos anos a voz dos lugares e dos projectos; deram a música ao público. […] Na mais pequena crise, foram silenciados, descartados, ignorados e postos na rua. Com a pandemia, vê-se claramente que os trabalhadores da música nem possuem um suporte legal para a sua profissão, nem uma organização para o alcançar. Basta!», declara o Sindicato da Unidade.

Para que o trabalho não declarado, sem seguro e segurança seja o «normal» entre os músicos; para que estes trabalhadores deixem de ser os primeiros a ser descartados; para que os salários e os direitos não fiquem à mercê de patrões e intermediários, a estrutura sindical ligada ao Partido Comunista da Turquia sublinha que «a unidade, a organização e a solidariedade» são o caminho a seguir no sector.

Trabalhadores da Cultura mobilizam-se contra o desemprego e insegurança

Trabalhadores turcos da Cultura, que na «normalidade» conviviam com a precariedade e a insegurança, lutam agora com o desemprego e condições agravadas.

Alguns deles, actualmente no desemprego, manifestaram-se no passado dia 22 em frente às direcções provinciais da Cultura em Istambul e Ancara, para chamarem a atenção para a situação em que se encontram os profissionais do sector e para os seus problemas.

Nas concentrações, organizadas por uma rede solidária, os profssionais lembraram que, no período «normal», já se deparavam com «condições de trabalho inseguras, precárias», e depois tiveram que lutar para sobreviver na pandemia, e que «o apoio financeiro que receberam ficou muito longe de resolver os seus problemas».

Por tudo isto, agendaram para esta quinta-feira conferências de imprensa em frente às direcções provinciais de Cultura, noticia o portal news.sol.org.tr.

Tópico