|coronavírus

Idosos no Reino Unido aconselhados a assinar ordens de «não reanimação»

A denúncia levanta preocupações relacionadas com o valor da vida dos idosos, na medida em que, por critérios economicistas, sejam empurrados para recusar os cuidados médicos e terminar a vida.

Créditos / hoyweb

O Serviço Nacional de Saúde do País de Gales foi obrigado a pedir desculpas públicas depois de um centro de saúde perto de Port Talbot ter recomendado aos pacientes com outras doenças que assinassem cláusulas de «não-reanimação» (DNAR - Do Not Attempt Resuscitation), noticiou o The Guardian.

«Gostaríamos de pedir-lhe que preenchesse um formulário DNAR que possamos partilhar com os serviços de saúde locais. Isto significa que, em caso de deterioração repentina da sua condição devido a infecção com covid-19, os serviços de urgência não serão chamados e não serão realizadas tentativas de reanimação para reiniciar o batimento do seu coração ou a sua respiração», dizia a carta enviada aos utentes, que elencava ainda os benefícios desta prática.

«Em primeiro lugar o seu médico de família e, mais importante, os seus amigos e familiares saberão que não têm de ligar para as urgências e, em segundo lugar, os escassos recursos podem ser direccionados para jovens e pessoas em boa forma física, que têm maior probabilidade de sobreviver», pode ler-se no documento, que acrescenta também o facto de, não sendo chamada uma ambulância, os profissionais de saúde correrão menos risco de contágio.

As famílias e os médicos que seguem algumas destas pessoas, preocupados com o que consideram uma ordem «em massa» para não ressuscitar os mais idosos na eventualidade de enfrentarem complicações de saúde graves por causa do novo coronavírus, decidiram expor o caso ao The Guardian

A Comissão da Qualidade de Cuidados, organismo britânico que escrutina os cuidados de saúde, já emitiu um aviso e classifica a prática como «inaceitável».

Tópico