Fortes protestos em Atenas contra novas medidas de austeridade

O Parlamento grego aprovou, esta quinta-feira, mais um corte nas pensões e uma nova subida nos impostos. A oposição popular a este «quarto memorando» foi visível tanto na greve geral de quarta-feira como na manifestação de ontem, na capital.

https://www.abrilabril.pt/sites/default/files/styles/jumbo1200x630/public/assets/img/05969497.jpg?itok=sICmE-sb
Militantes do PAME manifestam-se em Atenas, junto ao Parlamento, contra as políticas do governo Syriza-Anel, na greve geral de dia 17
Militantes do PAME manifestam-se em Atenas, junto ao Parlamento, contra as políticas do governo Syriza-Anel, na greve geral de dia 17CréditosAlexandros Vlachos / EPA

Depois da greve geral, com forte impacto nos transportes e serviços, e das manifestações de quarta-feira – nomeadamente em Atenas e Salónica –, os protestos contra o «quarto memorando» (como foi baptizado pelos manifestantes) prosseguiram ontem na capital, na Praça Syntagma, em frente ao Parlamento grego, com forte presença de reformados e pensionistas.

Este novo pacote legislativo do governo Syriza-Anel não estava previsto no terceiro resgate e será aplicado assim que terminar o actual programa. Entre as medidas ontem aprovadas contemplam-se um novo corte nas pensões, a partir de 2019, e subidas de impostos, a partir de 2020.

Nos planos do primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, o objectivo é poupar na despesa do Estado e, a quatro dias da reunião do Eurogrupo, agradar aos credores, convencendo-os de que «os sacrifícios do povo grego» justificam «um alívio na dívida», bem como a libertação de uma nova tranche de 7,5 mil milhões de euros no plano de resgate, indicam as agências Efe e Reuters.

Programa não cumprido, profunda recessão

Desde 2010, a Grécia recebeu dos credores cerca de 260 mil milhões euros em troca da realização de grandes reformas económicas e cortes na despesa pública, que mergulharam o país numa profunda recessão económica.

Presente na manifestação na Praça Syntagma, Maria, uma professora de 60 anos, falou à agência Efe da frustração que sente com Alexis Tsipras, líder do Syriza, que, em seu entender, «enganou duas vezes o povo, a primeira com o programa de Salónica e a segunda com o referendo».

A professora referia-se ao programa eleitoral apresentado pelo Syriza – não aplicado – e que levou a que ganhasse as eleições em Janeiro de 2015, e ao referendo em que o povo grego disse maioritariamente «não» ao terceiro resgate, mas que Tsipras acabou por assinar.

0 Comentários

no artigo "Fortes protestos em Atenas contra novas medidas de austeridade