|Síria

EUA continuam a saquear os recursos da Síria

As forças de ocupação norte-americanas transportaram pelo menos 94 camiões para o Norte do Iraque com petróleo e trigo provenientes da província síria de Hasakah, refere a agência Sana.

Créditos / PressTV

Citando fontes locais, a agência noticiosa oficial revelou que, este sábado, as forças militares dos Estados Unidos levaram para o Iraque 30 camiões-cisterna com petróleo sírio, através da passagem fronteiriça ilegal de al-Walid.

Outros 44 camiões, provenientes dos campos petrolíferos de al-Swaidiya, dirigiram-se para bases norte-americanas no Iraque através da passagem ilegal de al-Mahmudiya, acrescenta a fonte.

A Sana refere ainda que, com a ajuda das chamadas Forças Democráticas Sírias (FDS), na sua maioria curdas, as tropas de ocupação saquearam também 20 camiões carregados de trigo, com destino ao Norte do Iraque.

Ao longo dos meses, os meios de comunicação sírios (e alguns mais) têm dado conta das «actividades de contrabando» por parte dos militares dos EUA, com uma regularidade praticamente semanal. Petróleo e cereais são escoados para as bases norte-americanas no Iraque, quase sempre através das passagens não autorizadas de al-Mahmudiya ou al-Walid.

No passado dia 6, a mesma fonte noticiou que as forças norte-americanas escoltaram outros 43 camiões-cisterna com petróleo saqueado do Nordeste da Síria para o país árabe vizinho.

83% da produção diária de crude roubada

No início de Agosto, o Ministério sírio do Petróleo e dos Recursos Minerais informou, no âmbito de uma reunião para discutir os resultados alcançados no primeiro semestre, que a produção petrolífera na Síria ascendeu a 14,5 milhões de barris, com uma produção média diária de 80 300 barris.

Destes, apenas 14 200 foram entregues às refinarias sírias, enquanto os restantes 66 000 foram «roubados pelas forças de ocupação dos EUA e seus mercenários dos campos petrolíferos na região oriental» do país, o que representa 83% da produção diária de crude.

Em missivas enviadas, no final do mesmo mês, ao secretário-geral da ONU e ao presidente do Conselho de Segurança das Nações Unidas, o Ministério sírio dos Negócios Estrangeiros estimou que as perdas directas e indirectas causadas ao país árabe pela ocupação norte-americana, até ao final do primeiro semestre deste ano, tenham um valor de 107,1 mil milhões de dólares.

Autoridades sírias controlam um único campo petrolífero em Deir ez-Zor

Antes da guerra, em 2011, a Síria produzia 380 mil barris diários de crude, segundo dados divulgados pelo Ministério do Petróleo. Actualmente, é obrigada a importar petróleo para satisfazer as necessidades domésticas.

O governo sírio tem denunciado repetidamente a presença ilegal das tropas norte-americanas, que classifica como uma ocupação, afirmando que as acções promovidas pelo Pentágono incentivam a actividade terrorista, desestabilizam o país e o privam das suas riquezas.

À intensificação da guerra económica, em que se incluem o bloqueio e as sanções impostos pelos EUA e seus aliados, acresce o facto de que as forças de ocupação norte-americanas e as suas milícias mercenárias dominam 90% das zonas de produção petrolífera.

Ali Hassan al-Yousef, engenheiro no campo petrolífero de Jabsa (província de Hasakah), disse à Sputnik Arabic, no passado dia 11, que Damasco controla apenas um único campo petrolífero na província vizinha de Deir ez-Zor, sublinhando que «a ocupação americana continua a saquear o petróleo» para fora da Síria, com recurso a «tanques ilegais e oleodutos».

Citado pelo portal thecradle.co, o secretário-geral adjunto do Sindicato dos Advogados Árabes, Abdul Aziz Gawish, afirmou que o roubo de petróleo sírio constitui uma violação grave do direito internacional, da convenção de Haia de 1907 sobre a solução pacífica dos conflitos internacionais e da Quarta Convenção de Genebra, de 1949.

Tópico