|Venezuela

Clamor anti-imperialista encheu as ruas de Caracas

Milhares de pessoas expressaram, esta terça-feira, o seu apoio ao governo de Nicolás Maduro, mobilizando-se contra o imperialismo e em defesa da soberania. No Palácio de Miraflores, Maduro sublinhou que a «Venezuela não se rende».

Na marcha anti-imperialista desta terça-feira ouviram-se palavras de ordem como «A pátria não se vende, a pátria se defende» e «Maduro, amigo, o povo está contigo»
Na marcha anti-imperialista desta terça-feira ouviram-se palavras de ordem como «A pátria não se vende, a pátria se defende» e «Maduro, amigo, o povo está contigo»Créditos / Alba Ciudad

Milhares de pessoas reuniram-se junto à sede da Cantv, principal empresa de telecomunicações da Venezuela, localizada na Avenida Libertador, de onde partiram em manifestação com destino ao Palácio de Miraflores, em Caracas, para reafirmar o seu apoio ao governo bolivariano e a defesa da soberania nacional face aos ataques do imperialismo.

Olga Espinoza, líder comunitária da freguesia La Pastora, disse à ANV que, «desde a chegada da Revolução Bolivariana, em 1999, se manifesta a favor da paz e contra as ingerências do imperialismo nos assuntos internos do país».

Já a pensionista Yoryelin Castillo afirmou que «a maioria do povo tem noção de que um retrocesso seria fatal para a nação» e que «não se pode permitir o regresso ao poder» daqueles que, entre 1958 e 1998, «mergulharam a Venezuela no abismo da miséria».

Por seu lado, Adela Ochoa, empregada doméstica, deixou claro o seu posicionamento anti-imperialista com um veemente «Não voltarão», tendo criticado ainda o bloqueio financeiro imposto ao país pelos Estados Unidos.

A marcha marcou o encerramento do encontro «Todos Somos Venezuela: diálogo mundial pela paz, a soberania e a democracia bolivariana», que decorreu em Caracas entre 16 e 19 de Setembro, com a participação de cerca de 200 delegações de países dos cinco continentes.

Maduro apela à continuidade da luta contra o imperialismo

No final da mobilização, no Palácio de Miraflores, sede do governo venezuelano, o presidente da República afirmou que «a Venezuela não se rende, vai continuar a lutar […] e continuar de pé».

Tendo em conta as declarações proferidas pelo seu homólogo norte-americano, Donald Trump, durante a intervenção na Assembleia-Geral das Nações Unidas, em Nova Iorque – que reafirmaram a linha intervencionista já conhecida no que respeita à Venezuela –, Nicolás Maduro disse que «o magnata (Donald Trump) se julga dono do mundo, mas que ninguém ameaça a Venezuela e ninguém é dono da Venezuela; apenas o povo soberano desta pátria histórica».

Além da Venezuela, também Cuba, o Irão e a Coreia do Norte – país que Trump ameaçou «destruir totalmente» – foram alvo de críticas ou ameaças directas. A este propósito, Maduro sublinhou: «Não aceitamos relações de subordinação, de submissão, não aceitamos ser escravos de ninguém; não nos importa o poder que o império norte-americano tenha», informa a AVN.

Solidariedade com outros povos

Para o chefe de Estado venezuelano, a solidariedade como instrumento de integração norteia o país. Exemplo disso é o apoio da Venezuela ao povo de Dominica, ilha das Caraíbas que foi atingida pelo furacão Maria e para a qual foram enviados 40 especialistas venezuelanos e 18 toneladas de bens de primeira necessidade.

Maduro disse ainda que o seu país está disponível para ajudar o povo do México, onde se registou um sismo de magnitude 7,1 na escala de Richter.

Tópico