|Bolívia

Bolívia assinala defesa da soberania no Dia da Dignidade Nacional

A 17 de Outubro de 2003, Sánchez de Lozada fugiu para os EUA, após ter reprimido quem defendeu a soberania boliviana e se opôs à exportação do gás a baixos preços. Mais de 60 pessoas foram mortas.

Perante milhares de pessoas, concentradas em El Alto por ocasião do 10.º aniversário dos massacres da Guerra do Gás, Evo Morales promulgou a lei do Dia da Dignidade Nacional
Perante milhares de pessoas, concentradas em El Alto por ocasião do 10.º aniversário dos massacres da Guerra do Gás, Evo Morales promulgou a lei do Dia da Dignidade NacionalCréditos / larazon.com

O Dia da Dignidade Nacional, que hoje se comemora, foi instituído na vigência da Revolução Cultural e Democrática, liderada por Evo Morales, em homenagem aos que caíram nas revoltas de Setembro e Outubro de 2003, conhecidas como a Guerra do Gás.

Neste dia, o povo boliviano lembra a luta de resistência e a vitória alcançada pelos trabalhadores face à política neoliberal do então presidente Gonzalo Sánchez de Lozada (1993-1997 e 2002-2003), que o povo acusava de se submeter aos ditames das grandes corporações internacionais e de não defender os interesses nacionais, nomeadamente por antepor as exportações à garantia de abastecimento do mercado interno.

Os manifestantes defendiam, por um lado, que o mercado interno fosse abastecido a preços tão baixos como aqueles a que se estava a exportar o gás natural para os EUA e o México, e, por outro, a nacionalização dos hidrocarbonetos.

Aos protestos, de carácter nacional, Sánchez de Lozada respondeu com o Exército, que matou 67 pessoas e deixou centenas feridas. Na sequência do «massacre», o presidente acabou por abandonar o cargo e escapar, a 17 de Outubro, para os EUA, país onde continua a residir e que rejeita o pedido de extradição formulado pelo Estado Plurinacional da Bolívia, que o quer julgar «pelos seus crimes», informa a Prensa Latina.

«Dignificação do país, contra o modelo de saque»

O actual presidente boliviano, Evo Morales, lembrou em diversas ocasiões a importância do sacrifício dos seus compatriotas, há 15 anos, para a recuperação dos recursos naturais, sublinhando que representou a dignificação do país e o fim do modelo neoliberal de saque e roubo.

A propósito do Dia da Dignidade Nacional, Evo Morales afirma hoje, na sua conta de Twitter, que, se a fuga de Sánchez de Lozada, em 2003, significou a libertação «do modelo neoliberal saqueador dos recursos naturais» bolivianos, «hoje, os seus cúmplices» estão na oposição e «dizem defender a democracia e os direitos humanos».

Ainda neste contexto, Evo Morales lembra, também no Twitter, que a 17 de Outubro de 1969 o governo de Alfredo Ovando nacionalizou a Gulf Oil Company, «transnacional norte-americana que vendia à Bolívia o seu próprio petróleo».

Entretanto, a direita voltaria a entregar de mão beijada os recursos naturais aos grandes grupos económicos estrangeiros, mas, em 2006, com a chegada de Morales ao poder e a afirmação da Revolução, seriam novamente nacionalizados.

Este facto – a nacionalização dos hidrocarbonetos e demais recursos naturais do país – tem sido reiteradamente destacado por Morales como um factor decisivo para «mudar o país, levantar a pátria, recuperar a dignidade nacional, a soberania política, a independência económica e avançar na justiça social», como afirmou este ano, a 22 de Janeiro, na Assembleia Legislativa Plurinacional da Bolívia, em La Paz, por ocasião do 12.º aniversário da Revolução Cultural e Democrática e no 8.º aniversário da criação do Estado Plurinacional da Bolívia.

Tópico