|iémen

Ansarullah louva apelo da ONU a um cessar-fogo em Hudaydah

O movimento Huti Ansarullah congratulou-se com o apelo do enviado das Nações Unidas a uma trégua na cidade costeira iemenita de Hudaydah, apesar das violações frequentes por parte dos sauditas.

Um homem e os seus filhos num zona bombardeada de Hudaydah
Um homem e os seus filhos num zona bombardeada de HudaydahCréditosGiles Clarke / UNOCHA

«Acolhemos com satisfação a declaração do enviado especial das Nações Unidas para o Iémen, Martin Griffiths, relativa ao compromisso com o acordo de Estocolmo, além de qualquer abordagem positiva e eficaz ao mecanismo de implementação da Missão das Nações Unidas para Apoiar o Acordo de Hudaydah (UNMHA, na sigla em inglês)», escreveu esta quinta-feira, na sua conta oficial de Twitter, Mohamed Abdel-Salam, representante do movimento Ansarullah.

No mesmo dia, Griffiths tinha-se manifestado profundamente preocupado com os combates na cidade portuária, estratégica de Hudaydah, e com as informações de vítimas entre a população civil, incluindo mulheres e crianças, refere a PressTV.

«Esta escalada militar não constitui apenas uma violação do acordo de cessar-fogo em Hudaydah, mas vai contra o espírito das negociações em curso, facilitadas pela ONU, com vista a alcançar um cessar-fogo a nível nacional, medidas humanitárias e económicas, e a reactivação do processo político», afirmou o representante das Nações Unidas num comunicado.

Griffiths pediu a todas as partes que baixem as armas e respeitem os compromissos que assumiram no contexto do acordo de Estocolmo.

Em Dezembro de 2018, delegados do Ansarullah e representantes leais ao antigo presidente Abd Rabbuh Mansur Hadi, apoiado por Riade, levaram a cabo conversações na cidade Rimbo, a norte da capital sueca, das quais resultaram o anúncio de um acordo de cessar-fogo na frente de Hudaydah, que incluía a retirada das tropas da cidade portuária iemenita à beira do Mar Vermelho.

Violações sucessivas da coligação liderada pelos sauditas

A Arábia Saudita e os seus aliados na guerra de agressão ao Iémen têm sido reiteradamente acusados de violarem este acordo – como, aliás, qualquer outra trégua decretada. A televisão em língua árabe al-Masirah, citando fontes da estrutura encarregue de monitorizar as violações do acordo de Estocolmo, informou esta quarta-feira que a coligação liderada pelos sauditas tinha violado a trégua 245 vezes em 24 horas.

No dia anterior, a SABA, agência noticiosa oficial do Iémen, dera conta de 281 violações do acordo em Hudaydah também no espaço de 24 horas, refere a PressTV.

À frente de uma aliança apoiada pelas potências ocidentais e que inclui países como os Emirados Árabes Unidos, o Egipto e o Sudão, a Arábia Saudita lançou, em Março de 2015, uma ofensiva militar contra o mais pobre dos países árabes, declarando serem seus objectivos esmagar a resistência do movimento popular Ansarullah e recolocar no poder o antigo presidente Abd Rabbuh Mansur Hadi, aliado de Riade.

A organização norte-americana Armed Conflict Location and Event Data Project (ACLED) estima que, nestes cinco anos e meio, a guerra tenha provocado mais de 100 mil mortos.

Tópico