|Música

Há 80 anos nascia Adriano Correia de Oliveira

Cantou a vida real e combateu-a numa resistência consequente, ao longo de uma vida cheia, mas tragicamente curta. Se fosse vivo, Adriano faria 80 anos este sábado. O AbrilAbril associa-se às celebrações. 

Assinala-se hoje, 16 de Outubro de 2022, o 40.º aniversário da morte de Adriano Correia de Oliveira (1942-1982). Cantor e resistente antifascista, a vida e obra de Adriano Correia de Oliveira afirmaram-no como uma das vozes indispensáveis na oposição ao fascismo e na construção do Portugal livre e democrático. 
Assinala-se hoje, 16 de Outubro de 2022, o 40.º aniversário da morte de Adriano Correia de Oliveira (1942-1982). Cantor e resistente antifascista, a vida e obra de Adriano Correia de Oliveira afirmaram-no como uma das vozes indispensáveis na oposição ao fascismo e na construção do Portugal livre e democrático. Créditos / Tendências do Imaginário

É uma data redonda, o dobro da que Adriano somou em vida, que se assinalará em vários pontos do País, ao longo de 2022, pela mão do Centro Artístico Cultural e Desportivo Adriano Correia de Oliveira, sedeado em Avintes, terra onde cresceu o cantor e resistente antifascista. 

Amanhã, dia de aniversário, arranca a divulgação de uma série de entrevistas, conversas, concertos, resumos da biografia, videoclipes de músicas de Adriano e declamação de poemas, num total de seis episódios a divulgar semanalmente no Facebook e no Youtube do AbrilAbril. A par da música e de um resumo da biografia, o primeiro, este sábado, conta com entrevistas de Isabel Correia de Oliveira, filha de Adriano, e de Carlos Alberto Moniz, e pode ser visto a partir das 16h nas redes referidas.    

Um dos pontos altos das celebrações acontece domingo na Casa da Música, no Porto. No espectáculo de homenagem à vida e obra de Adriano participam amigos, colegas e admiradores como Brigada Víctor Jara, Carlos Alberto Moniz, Manuel Freire, Samuel, Uxía, Zeca Medeiros, Paulo Vaz de Carvalho e Pedro Guedes, entre outros. 

O Perigoso Pacifista – Episódios da vida de Adriano Correia de Oliveira, de João Mascarenhas e Paulo Vaz de Carvalho, é o livro de banda desenhada que o Centro Adriano lançou no Festival de BD de Coimbra, no final de Março, e que poderá ser adquirido brevemente. «O Perigoso Pacifista traz-nos algumas das vivências de Adriano nas cerca de 50 páginas que compõem o livro de Banda Desenhada. Neste livro são desenhados alguns dos relatos escritos e testemunhados por alguns que com ele viveram todo um período que atravessou os anos da ditadura salazarista, até ao raiar da Liberdade, num Portugal onde quase tudo estava por fazer», lê-se na sinopse.

Outra obra em preparação é Adriano, um canto em forma de Abril – 80 anos, que reúne um conjunto de depoimentos e deverá ser lançada em várias localidades, a partir de Maio. Uma exposição itinerante sobre a vida e obra do artista é outra das propostas do Centro Adriano. 

Os mais novos também se associam às celebrações dos 80 anos do músico, intérprete e cantor de intervenção, designadamente na pintura de murais, como aconteceu na Escola Básica 2,3 Adriano Correia de Oliveira e na associação de solidariedade Abrigo Seguro, ambas em Avintes. 

Amanhã, o Centro Adriano e o Município de Setúbal promovem um concerto de homenagem ao artista no recentemente restaurado Convento de Jesus, com Ferreira Mendes (viola e voz) e Fernando Monteiro (guitarra de Coimbra), e Paulo Bragança. 

Tópico