|

A Escola da Noite já ensaia «Desmesura», de Hélia Correia

Desmesura – exercício com Medeia revisita a tragédia clássica de Eurípedes. A peça de Hélia Correia é levada à cena em Coimbra, em Outubro, pela companhia d’A Escola da Noite.

Hélia Correia. Foto de arquivo
Hélia Correia. Foto de arquivoCréditos / TCSB

A companhia teatral d’A Escola da Noite está a ensaiar Desmesura, a partir de uma peça homónima da escritora Hélia Correia. A próxima produção do grupo de Coimbra estreia já em Outubro no Teatro da Cerca de São Bernardo, em Coimbra, e conta com uma encenação de Igor Lebreaud, Jarbas Bittencourt e Sofia Lobo.

Desmesura – exercício com Medeia (2006) foi escrito a partir da tragédia de Eurípides e insere-se na linha de revisitação dos textos clássicos seguida pela autora, na sequência de “Perdição – exercício sobre Antígona” (1988) e “O Rancor – exercício sobre Helena” (2000).

Na peça Hélia Correia elimina algumas personagens da tragédia original e acrescenta outras, mulheres. A acção situa-se num espaço que tradicionalmente lhes está destinado – a cozinha – e são personagens habitualmente sem voz – escravas – que confrontam a protagonista e o seu amor desmesurado, o seu ciúme, a sua reacção violenta à traição de Jasão.

Para além de uma reflexão sobre a força avassaladora e incontrolável do amor e da sua proximidade à loucura, Desmesura é também um belíssimo poema sobre viagens forçadas, exílios, escravidão, sobre o peso dos juramentos, sobre o poder das línguas e da linguagem, sobre a importância das palavras.

Dirigido por Igor Lebreaud, Jarbas Bittencourt e Sofia Lobo, o espectáculo conta com as interpretações de Ana Teresa Santos, Daniela Marques, Igor Lebreaud, Lucília Raimundo, Miguel Magalhães e Sofia Lobo, o espaço cénico de Carlos Júlio e Sofia Lobo, a direcção musical de Jarbas Bittencourt, os figurinos de Ana Rosa Assunção, a música original e o espaço sonoro de Jarbas Bittencourt e Zé Diogo e o desenho de luz de Danilo Pinto.

Hélia Correia

Distinguida em 2015 com o Prémio Camões e recentemente galardoada com o Grande Prémio de Romance e Novela da Associação Portuguesa de Escritores pela sua obra mais recente (Um Bailarino na Batalha), Hélia Correia (1949) é uma das mais destacadas escritoras portuguesas da actualidade.

A sua obra cruza vários géneros e estilos – romance, novela, conto, teatro, poesia – sendo-lhe reconhecido o gosto pela Antiguidade Clássica, com a qual dialoga através de um estilo próprio e inovador, impregnado de poesia. Por outro lado – faz-se notar no weblog d’A Escola da Noite – a ensaísta e professora universitária Rosa Maria Martelo salientava, em 2015, a escrita de Hélia como uma «escrita híbrida», através da qual «consegue uma fuga ao realismo, mas sem nunca deixar de manter uma atenção muito directa ao mundo em que vivemos». Hélia Correia – acrescenta – «articula o fantástico com as circunstâncias da nossa vida».

Para além do Prémio Camões e do recente Prémio da APE, a escritora recebeu ainda, entre outros, o prémio PEN Clube em 2001 (pela sua obra de ficção Lillias Fraser) e prémio Correntes d'Escritas/Casino da Póvoa em 2013 com o livro de poesia A Terceira Miséria.

Desmesura e A Escola da Noite

Desmesura é interpretada por Ana Teresa Santos, Daniela Marques, Igor Lebreaud, Lucília Raimundo, Miguel Magalhães, Sofia Lobo.

O espaço cénico foi concebido por Carlos Júlio e Sofia Lobo, os figurinos são de Ana Rosa Assunção e os adereços Ana Rosa Assunção e Carlos Júlio.

O espectáculo, de 60 minutos e para maiores de 12 anos, tem música original e espaço sonoro de Jarbas Bittencourt e Zé Diogo. A direcção musical é assegurada por Jarbas Bittencourt e o som por Zé Diogo. Danilo Pinto assina o desenho de luz.

A Escola da Noite, como se pode ler na sua página, é uma companhia de teatro profissional sediada em Coimbra desde 1992. Ao longo de 27 anos de actividade estreou mais de 70 espectáculos, construindo e consolidando uma linguagem artística própria, assente na experimentação e na formação constantes e no equilíbrio, em termos de reportório, entre autores clássicos e contemporâneos.

Depois de ter adaptado uma antiga garagem no Pátio da Inquisição, em Coimbra (onde permaneceu entre 1996 e 2002), e de ter inaugurado a Oficina Municipal do Teatro (2002-2008), A Escola da Noite mudou-se para o Teatro da Cerca de São Bernardo em Setembro de 2008. Ao abrigo de dois protocolos assinados com a Câmara Municipal de Coimbra, o grupo é a companhia residente e a entidade responsável pela sua gestão e programação.

Paralelamente às temporadas em Coimbra, a companhia atribui particular importância à itinerância dos seus espectáculos e, desde 1992, visitou mais de 50 localidades nacionais e efectuou digressões à Bélgica, ao Brasil, a Moçambique, à Guiné-Bissau, a Espanha e a Angola.

Para além da produção e apresentação dos seus espectáculos, o trabalho da companhia estende-se aos domínios da formação (actores, produtores, técnicos, amadores de teatro, professores), da programação e do trabalho com o público escolar.

Tópico